quarta-feira, 29 de março de 2017

DESTINO: As boas energias de uma Noronha exotérica

Morro do Pico, Dois Irmãos, Cacimba do Padre, Praia da Conceição, pousadas e restaurantes maravilhosos, e pessoas pra lá de animadas, Fernando de Noronha é incrível! Você desce do avião e quando toca os pés na ilha, sente de cara a boa energia que existe no lugar. Isso não é uma sensação, é sentimento puro. Pra quem já foi, sabe do que estou falando. E pra você que planeja viajar para esse paraíso, sabe qual é a primeira coisa que o turista faz quando chega? Sorri! Simples assim! O sorriso de quem chega é contagiante. Mas dessa vez vou compartilhar com vocês uma experiência nova e única na ilha.

Já que estamos falando de sorriso, que tal navegar pela ilha, num barco com o nome de Happy Days. A bordo, pessoas de energia super positiva, nativos e locais, como Tuca Sultanum, Pedrinho, Silvinha, a única professora de Yoga da ilha, entre outros. Acrescente aí uma convidada ilustre, chamada Tenzin Namdrol, uma monja brasileira que morou sete anos, entre Índia e Nepal, em monastérios da tradição do budismo tibetano. Ela é ilustre, não por ser uma celebridade conhecida no mundo todo, mas por trazer consigo, algo conhecido no mundo todo, o amor. 

Tenzin nos fez vivenciar um elaborado ritual budista. A embarcação puxa uma grande placa de acrílico no mar, através de uma corda. Nessa placa está escrito um mantra sagrado em sânscrito, uma das línguas mais antigas do mundo. O barco vai em direção a, nada mais nada menos do que Praia do Sancho, considerada pela segunda vez consecutiva, pela Tripadvisor, a praia mais linda do mundo. Namdrol, nos ensina a entoar um mantra budista, que nos permite embarcar em uma outra viagem. 

Na verdade Namdrol faz questão de dizer que todo esse ritual só é possível, através da nossa presença e de todos aqueles que têm a sensibilidade de enxergar... "a essência da vida e da natureza divina de todos os seres. O mantra sagrado apenas desperta a nossa natureza divina já presente em todos os seres." Fernando de Noronha é simples assim, puro sorriso na alma de quem chega e pura alegria na alma de quem vai embora. Viva Noronha, ame Noronha.




Bio: Marcio Salim é carioca e tem uma carreira de 22 anos de televisão. Começou como cameraman, até atingir o cargo de Diretor de Imagem. Trabalhou 13 na TV Globo, 8 na Record e um ano em WebTV. Sua carreira como fotógrafo decolou neste ano de 2015, com três exposições em galerias de arte em Miami, Fort Lauderdale e na Galeria Antônio Carlos Jobim, no Consulado Geral do Brasil, em Los Angeles. Atualmente, Marcio se dedica a projetos de expedições fotográficas pelo Brasil e Estados Unidos.

terça-feira, 28 de março de 2017

CARRO: Techrules Ren o projeto mais arrojado em matéria de supercarro hibrido de luxo

A montadora Techrules apresentou no Salão de Genebra 2017 seu projeto mais arrojado em matéria de supercarro hibrido. O Ren é o primeiro veículo de produção da empresa chinesa de pesquisa e desenvolvimento automotivo, e possui a tecnologia de veículo elétrico de recarga de turbina (TREV). Com design inspirado em uma aeronave espacial, o Ren é otimizado para a eficiência aerodinâmica, com um layout de três cockpit modular que impressiona elaborado pelos designers automotivos, Fabrizio e Giorgetto Giugiaro. Com uma entrada totalmente inusitada onde o motorista passa por uma cúpula estilo jet-jet que se eleva para permitir o acesso das pessoas, para completar o visual futurista, faróis dianteiros de laser, e 'star-burst' em LEDs.

O Techrules Ren traz um chassi leve que foi projetado e construído por especialistas em automobilismo, l.m. Gianetti de turim. O layout modular focado no desempenho permite que o carro seja configurado com um, dois ou três toldos de policarbonato: um para o uso da trilha apenas pelo motorista, dois para a configuração "le mans" com um único passageiro ou três para acomodar o motorista e dois passageiros. 'Ren' é o primeiro supercarro de produção elétrica do mundo para caracterizar o sistema TREV (turbina recarregando veículo elétrico) entregando níveis excepcionais de eficiência e desempenho, com um baixo impacto ambiental.



Uma variedade de configurações estará disponível. O modelo principal - com uma capacidade de bateria de 25 kWh, e com dois motores na parte dianteira + quatro na parte traseira - oferece potência máxima de 960kW (1287 cavalo-vapor) com uma gama de 1170 km de apenas 80 litros de combustível diesel. A conveniência do supercarro é reforçada ainda mais por um interior requintado que oferece exclusividade com materiais de luxo de alta qualidade. Os espaços envolventes da cabine do piloto e do passageiro são em couro italiano mais fino, com as almofadas de assento com acabamento em denim produzido pela grife PT Pantaloni Torino.

O 'Ren' vem equipado com tecnologias inovadoras, incluindo avançados sistemas de assistência ao motorista (ADAS), além de uma variedade de modos de condução. Dentro do cockpit do condutor, o centro do volante abriga uma tela auto-niveladora que exibe instrumentos focados no desempenho, enquanto uma câmera retrovisora alimenta três telas de monitoramento. O luxuoso supercarro da Techrules irá fornecer uma mistura única de desempenho, poder brutal e inigualável eficiência. Além do conceito inovador de powertrain e plataforma da Technrules para dar suporte a carros urbanos com potencial para muitas outras variações de modelos.


Veja vídeo com a apresentação do Techrules Ren Salão de Genebra 2017:

segunda-feira, 27 de março de 2017

ESTILO: Invista na bolsa - 10 Modelos de bolsas e pastas para usar no trabalho ou lazer

Bolsas para homens ou bolsas masculinas: esse é um assunto sobre o qual com certeza você já ouviu e sempre gera discussão. Procure em qualquer fórum da internet ou lance a questão em qualquer grupo de amigos, vai gerar polêmica com certeza. Os homens já começaram a usar cremes e se depilar, mas falar de bolsa para homem é ainda um assunto tabu e mal interpretado no universo masculino. Talvez o problema esteja na língua portuguesa. Dizemos aqui somente bolsa, já em inglês existe a palavra purse que descreve bolsas para mulheres e a palavra genérica bag usada para todos os tipos de bolsas. Antes de ir mais além, recorramos ao dicionário: “recipiente de pano, couro ou matéria plástica, cuja boca possui, às vezes, um sistema qualquer de fechamento, como zíper e botões. Há modelos especiais para viagens, compras, ferramentas, caça, etc”.

Portanto, homens podem parar de pré-conceito e assumir que já usou algum tipo de bolsa. O que os assusta é que a palavra bolsa remete automaticamente para a bolsa que a mãe dele usava ou às muitas que você vê sua namorada, mulher ou companheiro comprando compulsivamente. Há alguns anos foi criada a expressão murse – fusão das palavras em inglês man e purse, na tentativa de criar uma palavra específica para bolsa de homem. Não deu muito certo porque ainda era associada ao mundo feminino.

Antes da revolução feminista, somente os homens trabalhavam e eram eles que carregavam os documentos e dinheiro em suas maletas e pastas, portanto, foram os pioneiros a usar bolsas no trabalho. Pesquisas mostram que até a Idade Média as bolsas eram usadas tantos por homens quanto por mulheres e com a evolução da moda, mais e mais bolsos foram adicionados às roupas masculinas, o que libertou o homem de carregar uma bolsa, já que podia levar o que precisava nos bolsos.

Mas veio o mundo moderno e de novo o homem precisa levar em algum lugar seus cartões de visita, carteira, óculos de sol, telefone, caneta, iPad, netbook, chave de casa, chave e documento do carro, outro telefone – afinal, não há bolso que aguente e nem adianta usar a bolsa da namorada ou mulher porque lá também não cabe mais nada. Na China há uma verdadeira febre, onde os homens percebem na bolsa um item de status no trabalho. Além disso, carregar uma bolsa estilosa pode ajudar na carreira ou pelo menos causar uma boa impressão profissional: com o aumento da competitividade do mercado profissional é preciso se diferenciar na multidão. Todo mundo já aprendeu a usar um bom terno e gravata e que a mulherada olha direto para o sapato e o cinto. Não pense que ela não está falando com as amigas: “olha que gato, todo bem vestido, mas vocês viram a mochilinha vagaba que ele está usando”.

As empresas experientes em vender moda para homens ainda não acertaram na comunicação com os marmanjos, mesmo assim os números estão indo muito bem. Hoje em dia a grande diversidade de opções de bolsas para homens e mulheres acaba atrapalhando o homem na hora da escolha, já que em média o público masculino tem menos informação sobre moda. Para não errar diante dos tantos tipos de bolsas, vejam a seguir algumas feitas para os homens usarem sem medo.


1) Pasta Executiva (ou maleta)/Briefcase: Talvez a mais antiga e mais difundida entre os tipos de bolsas para homens. Sua origem remonta do século 14 para transporte de dinheiro e outros objetos de valor. Mas foi por volta de 1800 que os homens começaram a carregar documentos e outros objetos, além de dinheiro. As mais tradicionais são em linhas retas, em couro e com uma pequena alça para serem carregadas na mão. Mas muitas já possuem uma alça removível opcional.
O ator Brad Pit e sua funcional bolsa carteiro.
2) Bolsa Carteiro ou Messenger Bag: São as bolsas masculinas com uma alça grande para serem carregadas cruzadas nos ombros. Ela foi criada em Nova York por Globe Canvas/De Martini sob encomenda de uma empresa telefônica: os operários precisavam ter as mãos livres e fácil acesso às ferramentas quando pendurados nos postes. É um tipo de bolsa geralmente mais informal, de lona ou tecido bem resistente. Também vem sofrendo mudanças ao longo dos últimos anos e algumas em couro ficaram bem sofisticadas, podendo até serem usadas com terno e gravata.

3) Camera Bag ou Small Cross-body bag: Versão menor da messenger bag, é mais retangular e usada na vertical. Como o nome diz, sua foi originalmente idealizada se levar máquinas fotográficas, mas hoje em dia têm sido usada para se levar documentos e celular em viagens de turismo e nos fins de semana. Embora hoje em dia com o advento de equipamentes mais sensíveis e sofisticados algumas empresas lançaram bolsas específicas para fotografia.

4) Bolsa de viagem ou Duffel bag ou ainda Weekend Bag:  Uma grande bolsa normalmente usada para viagens ou esportes. O nome vem de Duffel, uma cidade na Bélgica, de onde vinha o pano grosso usado para fazer esse tipo de bolsa nos seus primórdios. Hoje em dia, assim, como os demais tipos de bolsa também existem versões em canvas e em couro

5) Holdall ou Carryall: Bolsas com base retangular com uma abertura com zíper na parte superior. É uma versão menor da duffel bag ou mala de viagem de mão. As mais sofisticadas são de couro, mas, normalmente são feitas em nylon ou tecido resistente.
 


6) Bolsa de Ginástica ou Bowlling Bag ou ainda Sporty Bag: Parecem bolsas de viagem, mas, são menores e usadas para o dia a dia, academia, sua principal diferença são as alças que são menores do que as holdalls.


7) Doctor Bag: Esse tipo de bolsa remonta de quando os médicos iam visitar seus pacientes nas vizinhanças. Com a vida moderna essa bolsa acabou por se perder. Até as grandes grifes começarem a relançar peças inspiradas nessa clássica bolsa de fundo chato, lados arredondados e ligeiramente alongados.


8) Bolsa tipo Sacola ou Tote Bag ou ainda Shopper bag ou Cabas: Talvez a mais controversa e polêmica das bolsas de homem, porque em muitos casos e dependendo de sua atitude lembra muito as bolsas de mulher. A Tote Bag é a evolução da pasta porta-documento. E tem sido muito difundida nos últimos anos para substituir as sacolas de plásticos em lojas e supermercados.

9) Porta-terno ou Garment Bag: Bolsa ou mala para o homem de negócio levar sem muito problema e minimizar os amassados suas camisas e paletós.

10) Mala de viagem ou Suitcase: A mais conhecida sem dúvida. Feita em material bem resistente, geralmente em formato retangular. Com ou sem rodinhas.

Bem, agora é escolher o melhor modelo, ou os modelos, que se adeque à sua necessidade e aproveitar a variedade de estilos e funcionalidades que o mercado oferece. Afinal, além do que vestir é também muito importante saber o que usar: a pasta, maleta, bolsa dão um ar todo especial, um certo charme e elegância ao homem, além de marcar presença no estilo e na apresentação pessoal.

*Fábio Garcia é consultor de imagem e autor do site www.bolsasdevalor.net

sexta-feira, 24 de março de 2017

ESTRELA: Marcella Rica, simpática, talentosa e um dos maiores motivos para você assistir a novela das 21h

Se você observar a quantidade de vezes que a palavra “risos” aparece nessa entrevista vai perceber o quanto a atriz Marcella Rica é simpática, divertida e alto astral. Talvez parte do grande público só tenha conhecido Marcella agora com o papel de Jéssica em “A Lei do Amor”, mas ela já vem de muito tempo construindo uma carreira de sucessos. Ao todo já são 12 anos, passando de Malhação ao sucesso na novela das 9. Marcella é divertida, naturalmente sexy e altamente ligada em sua carreira. Para nos surpreender, encarnou a Madonna nas lentes do fotógrafo Sérgio Baia e nos arrebatou de vez. Com o fim da novela vai ficar um vazio... Volta logo Marcella! É a lei do amor! (risos)

Marcella, aos poucos já são mais de 10 anos na TV. Como você avalia sua trajetória? 12 anos já (risos), tô velha! Comecei aos 13, apresentando um quadro quinzenal no Fantástico (“Aí, Se Liga”). Eu acho que tive muita sorte, que Deus foi muito bom comigo e minha família me ajudou a fazer boas escolhas. Foi muito importante toda a base familiar pra lidar com tudo, entender o que era sólido e o que era sonho, onde eu precisava me empenhar, estudar e a ordem das coisas... Foi um processo duro, mas muito bonito até aqui. O fato de ir crescendo e as oportunidades irem surgindo aos poucos, foi muito importante. Pegar um personagem sem estar pronto pra ele é difícil demais e o mercado é muito exigente. E é muito difícil entender cedo também, que a concorrência é grande e que a profissão é instável, o estudo é constante e é essencial ser ativo. Hoje tenho a produtora, corro atrás dos meus projetos... foi bom entender a necessidade disso cedo. Tive a sorte de trabalhar priorizando os estudos desde sempre e os convites foram surgindo aos poucos, no tempo certo. Aprendi muito em “Malhação” e sou muito grata pela Jéssica ter chegado hoje pra mim.  



Quando despertou para ser atriz e como foi o início? Fui ao Teatro Tablado com 10 anos assistir uma aula da minha amiga-irmã, Lorena Comparato, e me apaixonei, na semana seguinte estava matriculada. Passei a frequentar muito o Tablado e assistir "Pluft" (com a Cláudia Abreu) todo final de semana. Acho que o despertar foi nessa época e vivo dizendo pra Cacau que contracenar com ela hoje na novela faz muita coisa ter sentido pra mim, sobre as escolhas até aqui. Mas nem sonhava em ser atriz ainda, logo na sequência veio o convite pro quadro no Fantástico, que me levou ao "Toma lá dá cá", onde conheci o Diogo Vilela, que me convidou pra minha primeira peça profissional. Acho que durante a temporada com ele, entendi que era isso e aí foram surgindo novos convites... 

Com Jéssica parece que haverá um divisor de águas na sua carreira. Como tem sido "cuidar" dessa personagem com tantas nuances? Um presente sem fim. Sou muito grata por essa oportunidade, por todo o aprendizado, pela convivência com tantas pessoas incríveis e por esse personagem, que me permitiu voar pra tantos lugares, descobrir tantas coisas, criar, visitar universos distintos... foi muito, muito bom! O aperto no peito da despedida já tá por aqui, junto com a gratidão. Mas essa fica, pra sempre.  


E como está sendo trabalhar ao lado de Claudia Raia. Parece que a relação de mãe e filha da novela vai além diante da sintonia de vocês? Um SONHO! Eu digo isso em todas as entrevistas, mas não dá pra não repetir (risos)! A Cláudia é o máximo e responsável por grande parte do aperto no peito nessa despedida. Ela me abraçou de um jeito muito lindo, me ensinou muito, me deu a mão e construiu comigo do jeito mais doce, e não só a relação cênica, mas na vida também. Ela é um ser humano extraordinário, fora do comum e muito generosa. A gente se diverte muito, ela cuida como mãe, toma conta, dá os melhores conselhos... são puro carinho e amor. Eu era fã, agora sou ainda mais fã e filha babona. Ela e a Flor viraram uma família pra levar pra vida, o maior presente da novela.

A Jéssica tem algo seu? E ao fim desse trabalho acha que algo dela ficará em você? O que ela te ensinou? Acho que a determinação, força. E talvez uma dose de sincericídio bem humorado também (risos). Em mim fica - ainda mais registrado do que sempre foi - que amor de mãe salva, que a mulher precisa ser respeitada, o "não" significa não e os abusos precisam ser denunciados. Fica também um certo apego pelos cabelos e a habilidade de passar 11 horas em cima de um salto como se nada fosse. Ah! E claro, aprendi a encher um tanque no capricho como ninguém (risos). 

A personagem, assim como você, tem uma sensualidade discreta. Meio pin-up, loira, boca carnuda, alta... Que acha? Acho que não tem como fugir muito, querendo ou não a gente se empresta, ou melhor, se dá toda pra personagem, então com certeza tem muito de mim ali, não só fisicamente. Mas tirando essa parte, acho que sou um pouco mais discreta que ela (risos), pelo menos no começo da trama a Jéssica era bem "jogada", abusava mais dos atributos. Eu acredito em outro tipo de sensualidade, algo menos pensado.

Você se acha sexy? Dei uma gargalhada antes de responder, isso já diz tudo né? (risos) Me acho nada! Acho que o humor é a ponte na maioria das minhas conexões (risos). 

Já sentiu alguma vez os homens inibidos na sua frente? Eu sou muito comunicativa e workaholic, então é tanta informação e velocidade que até eu fico inibida comigo mesma às vezes (risos).  


Que tipo de homem te atrai? O que eles precisam ter e ser para chamar sua atenção? Acho que o que move minha atenção é admiração. Gosto de quem é de verdade, sabe respeitar, acredita no trabalho, tem personalidade, senso de humor, fé, sonhos e entusiasmo na vida.

O que os homens ainda não aprenderam na hora de conquistar uma mulher? Seria injusto generalizar, porque sem dúvida muitos aprenderam. Mas acho que ainda falta muito o respeito. E o interesse em conhecer, dar relevância, tratar com igualdade... Tem muita gente ainda precisando compreender a diferença entre conquistar algo ou alguém. 

O que você não permite que o homem faça num relacionamento (na relação a dois) e o que faz ele ganhar muitos pontos com você? Acho que a falta de respeito é a pior coisa que pode acontecer numa relação a dois e em qualquer tipo de relação. E quem cozinha bem nessa vida, eu já amo. (risos)




Cavalheirismo está fora de moda? O que te encanta nisso? Existe um questionamento grande em relação a isso. Sobre o termo, sobre ser ou não "à moda antiga", sobre o feminismo lutar muito pela igualdade, mas ainda existir uma grande expectativa feminina em relação a essa busca pelo "cavalheirismo"... é um tema polêmico. Eu na verdade acho que não só as mulheres, mas todo ser humano gosta de ser bem cuidado, de lidar com pessoas gentis, que gostam de agradar. Então prefiro trocar cavalheirismo por gentileza - com pitadas de romantismo -, porque gentileza, gera gentileza. Eu acho encantador e acho que seria lindo se todas as pessoas no mundo - homens e mulheres - fossem mais gentis, românticas e carinhosas. 

E você está satisfeita com o que ver no espelho? É muito vaidosa? Até que ponto? Jamais saberei o que é isso (risos). Os 3 kg que a gente queria ter a menos sempre existirão pra provar que a vida sem chocolate não tem graça, já me conformei. (risos). Acho que nada em excesso é bom, principalmente vaidade, pode ser até perigoso. Mas gosto de me cuidar sim, hoje até mais pela saúde do que só pela aparência. Eu cuido muito da alimentação, da postura - minha coluna tem 89 anos -, continuo treinando, uso protetor solar, tiro a maquiagem, durmo de aparelho... amo minha dermatologista (Dra Vanessa Metz), minha dentista (Dra. Cristina Figueiredo), minha manicure (Elaine Carvalho) (risos)... tenho todos aqueles cuidados clássicos, sempre válidos (risos). Mas nada além do ponto, até porque a vida é muito corrida e eu realmente prefiro usar o tempo pra trabalhar e estudar mais.   

Depois de "A Lei do Amor" o que vem por aí? Esperamos te ver de volta em breve. Continuo com meus projetos de direção na produtora, dirigindo alguns canais no YouTube e agora gravando os bastidores da segunda temporada de "Valentins" para o Canal Gloob. Começo a ensaiar uma nova peça com o Diogo Vilela em breve, muito feliz e ansiosa pra trabalhar com ele novamente. E na expectativa de mais projetos e convites legais, sempre. :)

Para terminar... Como foi participar desse ensaio meio Madonna, meio Lady Gaga...? Provocou!! (risos) Foi um pulo da cobertura, de olhos fechados, diretamente pro colo do Sérgio Baia (fotógrafo), porque eu sabia que ele ia me pegar com direito a colchão de plumas lá embaixo (risos). Liguei pra ele e falei, olha... a ideia é bem ousada e abusada, mas agora você dá seu jeito pra me fazer baixar a Madonna na frente da sua lente! (risos) Ele e a Vivi Gonzo foram o máximo!

Nós concordamos e amamos!


quarta-feira, 22 de março de 2017

BEM ESTAR: Vamos alongar para ter mais flexibilidade, aquecer a musculatura e evitar lesões

Antes de iniciar uma atividade física, uma das primeiras coisas que devemos fazer é alongar. Por muitos e muitos anos essa questão pareceu uma verdade incontestável, pois aprendemos nas velhas aulas de educação física que o alongamento ajuda a prevenir lesões, aquece a musculatura, melhora a flexibilidade, e por ser uma prática adotada por boa parte dos profissionais de educação física até hoje. Não é difícil ouvir praticantes de atividade física atribuindo algumas lesões ou dores pós-exercícios ao fato de não terem alongado o suficiente, comprovando o quanto se dá importância a tais afirmações.

O grande problema, ou solução, é que a ciência se modifica e isso tudo foi colocado em xeque por diversos estudos que comprovam que segurar a musculatura em uma determinada posição por 20 a 30 segundos de forma intensa, antes de realizar um exercício, aeróbico ou de musculação pode atrapalhar mais do que ajudar. Corredores de longas distâncias tiveram seus tempos diminuídos, e outros aumentaram o esforço para realização do mesmo percurso. Já em atletas que precisavam de força, verificou-se diminuição de até 30% na mesma e ainda uma diminuição na potência muscular.

Se você está comemorando porque não precisará mais "perder tempo" ou sempre achou chato alongar, vá com calma. Não é aconselhável chegar de qualquer jeito e começar a sua atividade, existe formas eficientes de aumentar a temperatura muscular, atividade neural da musculatura e melhorar o desempenho. Alongamentos dinâmicos, que mais parecem com o aquecimento, onde o praticante realiza movimentos repetitivos são largamente utilizados por atletas de ponta.

Além dele, o aquecimento específico ganha destaque, onde se utiliza uma carga menor do que a do exercício e realizam-se algumas repetições (10 a 12 no caso da musculação, com 50% da carga antes do primeiro exercício, por exemplo). Dessa maneira preparamos a musculatura, aceleramos a frequência cardíaca, melhoramos a amplitude do movimento, funcionamento articular, entre outros.
Portanto, se você não dispensa o alongamento tradicional, segurando 15 a 30 segundos na mesma posição (30 segundo têm se mostrado mais eficiente), a sugestão é alongar a musculatura que não irá trabalhar naquela sessão de treino ou alongar em outro horário. Assim poderá aumentar a amplitude articular, melhorando ou mantendo a flexibilidade em longo prazo. Já para o treino logo a seguir, seja de musculação ou aeróbico, realize alongamentos dinâmicos e não esqueça a importância do aquecimento. Bom treino.
Os exercícios de alongamento podem (e devem) ser feitos à qualquer hora e em qualquer lugar. Em casa ao acordar, no trabalho com os colegas, após uma longa viagem e claro, na academia antes de praticar exercícios. Afinal o alongamento deve proporcionar bem-estar, conforto e auxiliar no melhor desempenho de atividades físicas.

*Anderson Santos é educador físico e personal do Mais Atividade Física. (www.maisatividadefisica.com)

terça-feira, 21 de março de 2017

ESTILO: Vista-se bem para o trabalho, do formal ao mais despojado

A forma como nos vestimos diz muito mais sobre nós do que imaginamos. E isso no trabalho esse é um "detalhe" que pode fazer toda a diferença, para melhor ou para pior. Saber qual a roupa ideal para o trabalho é uma dúvida muito comum hoje em dia. Pois cada vez mais as empresas têm adotado posturas menos conservadoras, especialmente em regiões mais quentes do país. Então muitas vezes ao invés de ajudar termina se criando mais dúvidas, pois nem todas as empresas adotam essa postura. Mas principalmente é importante observar três requisitos básicos, a profissão, o cargo e a empresa em que você trabalha (ou vai trabalhar). Em geral a roupa de trabalho ficou mais "relaxada" e flexível em muitos casos. Muitas empresas permitem que seus funcionários usem jeans como traje do dia a dia, em se tratando de funções e empresas menos formais. 

O importante é se vestir de forma que as pessoas percebam qual o seu cargo na empresa, já que partimos do princípio que a roupa projeta uma imagem de nós mesmos. O que vai variar, como falamos, é o tipo de trabalho que a pessoa exerce. Por exemplo, advogados e empresários de grandes corporações não tem como fugir do habitual terno, mesmo em regiões quentes. Já arquitetos, publicitários ou profissionais das áreas de cultura têm mais liberdade na hora de escolher o que vai usar. No caso deles, muitas vezes quanto mais "descolado" mais legal parece ser a pessoa. Porém, sempre com o básico de bom gosto e coerência.

Mas voltando aos mais formais, deve-se sempre usar o bom senso na hora da escolha do que vestir. Bermuda (por mais bonita e social que ela seja), calça jeans rasgada ou modelo skinny, camisetas gola V e chinelos são proibidos em um traje de trabalho. Diante disso, o homem deve se vestir de maneira adequada levando em conta também o horário de seu serviço, local e tipo de atividade que exerce. Outro ponto fundamental para o sucesso de suas produções é analisar a maneira que os demais empregados se vestem para que exista uma certa harmonia, e você não corra o risco de pecar por exageros em luxo ou falta dele destoando dos demais colegas de trabalho.


Nos ambientes corporativos de trabalho mais formais, trajes sérios e elegantes são fundamentais para manter uma boa aparência. Costumes em tons escuros e cortes certos garantem seu estilo adequado. A peça-chave do guarda-roupa masculino é o terno. Apesar de, para você, parecer ainda mais difícil se vestir com trajes sociais todos os dias para trabalhar, a situação é bem mais simples do que você possa imaginar, já que seu look básico se torna praticamente um uniforme e não perde muito tempo pensando no que usar. Suas opções limitam-se à escolha de cores e as combinações entre calça social, camisa, paletó e gravata apenas. Aliás, a gravata é que vai dar um diferencial, pois trará um toque mais pessoal ao look. Para esse estilo é aconselhável que se tenha ternos e costumes de cores sóbrias como azul marinho e cinza. A cor da camisa ideal é a branca ou cores claras com listras discretas, e os sapatos de preferência pretos. Lembre-se que cinto e meia devem combinar com os sapatos.

Se a roupa diz muito quem somos, às vezes você deve usar isso a seu favor se vestindo para projetar uma imagem, já a roupa nos permite isso. É uma forma diferente de encarar o guarda-roupa de trabalho que termina nos mostrando que a moda pode, sim, ser prática e refletir os anseios de cada um. Isso sem precisar fazer grandes sacrifícios para estar bem-vestido, e o melhor, sem gastar muito. Para isso basta escolher as peças ideais que melhor se encaixem no seu perfil e do seu ambiente de trabalho. Outra dica importante, antes de se vestir, confira sua agenda os compromissos para aquele dia. Caso tenha uma reunião ou encontro com funcionários de outra empresa onde o traje formal seja exigido, o melhor a fazer é investir em um look mais elaborado com ternos ou costumes.
Pensando nisso, se as suas atividades forem normais, você pode escolher as roupas como de costume. Aquelas combinações clássicas informais mais indicadas para a rotina na empresa que vão de uma simples calças jeans, à blazers, jaquetas, sapatênis, camisas e camisa pólo básica. Não tem erro. Por falar em erro, evite usar camisetas estampadas, a não ser que você seja, ou queira parecer, estagiário ou bastante jovem e trabalhe em uma atividade mais descontraída. É importante lembrar que mesmo mais relaxadas, as regras de moda para escritórios mais descontraídos não são as mesmas das que regem os seus passeios no final de semana, portanto, bermudas e camisas de time de futebol são proibidas para a sua rotina de trabalho. Isso também fica de fora.

A ROUPA CERTA PARA CADA ESTAÇÃO


Sabemos que cada estação pede um tipo de roupa, se é inverno, usamos roupas de tecido mais grosso e mais peças de roupas, se é verão, roupas leves e cores mais variadas são o básico. Porém alguns detalhes são importantes de se observar de acordo com a estação:

VERÃO – Talvez a estação mais difícil de se manter na linha, especialmente para quem mora no Norte e Nordeste. Escolha jeans mais leves, já que o calor é mais intenso durante o dia inteiro, e nos pés, use dockside ou mocassim (sem meias). Os tênis mais básicos também são confortáveis e estilosos. Já para quem não tem escapatória e usa terno, escolha os que são feitos com lã fria, que não superaquecem. E use uma camiseta básica por baixo para absorver o suor. Se você é daqueles que sua muito, lembre-se de levar uma camiseta extra, caso tenha uma reunião ou encontro de negócios no mesmo dia.

INVERNO – Quando chega o inverno é mais fácil ficar elegante. Se a pedida é formal, os costumes são os mais indicados. Se possível (e necessário) coloque um suéter ou sobretudo para aquecer. Se o estilo é mais informal, escolha um bom jeans escuro e peças clássicas como uma camisa com blazer, que vão substituir o paletó. Se o estilo é mais informal, a boa calça jeans que pode ser combinada com moletom, jaqueta de nylon, jaqueta de couro, cardigã, blazer... vai depender do seu estilo e de onde você trabalha.

É isso, dosando estilos e maneiras de usar visando o tipo de trabalho que você faz, e o local, com poucas peças você estará sempre bem vestido. Na hora de escolher suas roupas nas lojas, pense sempre de que forma elas serão usadas no trabalho. Lembrando que quanto mais discretas e básicas elas forem, melhores maneiras de combiná-las entre sí. Não tem mistério, basta ter bom senso e se adequar da melhor forma à sua realidade de trabalho.

segunda-feira, 20 de março de 2017

FITNESS: Kettlebell proporciona um treino com mais potência, flexibilidade, resistência e perda de peso

Equipamento de origem russa e muito utilizado no mundo antigo, o Kettlebell, ou KTB, virou uma verdadeira febre nas academias fora do país mais ainda é novidade aqui no Brasil. Por sua simplicidade, uma bola de ferro fundido com alça, o Kettlebell proporciona inúmeras formas de treinamento para quem quer ganhar músculos, flexibilidade, força, equilíbrio corporal e aumentar o condicionamento físico. O Kettlebell é uma ferramenta muito barata, comparando com estação de treino residencial, utilizando esteiras ou halteres que ainda terminam sendo limitados e se faz necessário ter vários para ter um resultado satisfatório, além de ocupar muito pouco espaço e ainda ser quase indestrutíveL. E o mais importante, onde muitas máquinas e receitas promovem um condicionamento físico completo, apenas kettlebell proporciona força, potência, flexibilidade, resistência (endurance) e perda de peso num só produto.

Mas não é de hoje que o kettlebell faz sucesso. Relatos históricos comprovam o uso dessa “bola de ferro” por atletas em exercícios musculares na Europa desde o século XVI onde demonstravam força, participando de atividades e jogos com essas peças antigas. Essas bolas de ferro eram facilmente encontradas em feiras públicas e mercados da época, o que as tornava ainda mais populares e baratas. Apontada como um equipamento completo com sua alça prática, o kettlebell ou gyria, se tornou a peça principal para qualquer guerreiro russo. De fato, de acordo com Pavel Tsatsouline, grande responsável pela introdução do kettlebell training nos Estados Unidos, na Rússia czarina os termos strongman e girevik ou kettlebell man eram sinônimos de força e potência física.

O Kettlebell Training ganhou popularidade graças ao guru do Kettlebell “Pavel Tsatsouline”, o grande responsável por divulgar essa "arte" nos Estados Unidos. E  tudo isso se deve as distintas vantagens que o método oferece comparado com as outras modalidades que o mercado, principalmente o brasileiro, tem oferecido. Seu peso varia entre 8 kg e 32 kg. "Diferente dos halteres, cujo centro de gravidade é a mão, a KTB tem seu centro de gravidade na própria bola", explica o professor de musculação, Gabriel Nicoletti Iwasaki, da academia Competition. O treinamento com kettlebell é muito popular entre os praticantes de lutas, principalmente grappling e artes marciais mistas (MMA). O atualmente considerado melhor lutador de peso pesado do mundo, o russo Fedor Emelianenko é um grande entusiasta do método.

Graças à seu formato que possibilita a realização de movimentos balísticos (de arremesso) e de potência, o Kettlebell sempre permanece fixo nas mãos. O aluno pode controlar os movimentos pendulares (com balanço) enquanto pratica outros exercícios, como o agachamento. "Poucas atividades na academia desenvolvem tanto a força muscular em sessões de apenas 20 minutos", comenta Reginaldo Ghilardi, coordenador de musculação da Competition. Resultando assim num trabalho de força com a grande amplitude de movimentos. Essa amplitude de movimento avantajada provoca o stretch reflex, o que aumenta a capacidade do corpo humano de produzir força, movimentação e agilidade.

O uso do Kettlebell ainda expõe fraquezas individuais e promove correções de assimetria corporal. Como a maioria dos gestos executados no kettlebell training é feita unilateralmente, assimetrias e compensações são muito mais fáceis de serem detectadas. Ainda proporcionando um desenvolvimento de estruturas articulares fortes e flexíveis. Kettlebell training exige muito que as articulações se estabilizem dinamicamente, o que reduz o potencial de lesão e permite maior eficiência na produção de forca muscular. Por conta do tamanho do esforço, não é surpresa que essa atividade proporcione um trabalho positivo em grandes grupamentos musculares, tais como braços e pernas, além de consumir uma baita energia do organismo. O gasto calórico é de até 700 calorias em 30 minutos de aula. 

Porém, os exercícios balísticos não são os únicos diferenciais e o uso dessa ferramenta para se realizar exercícios que visam um grande aumento na força central do corpo, o que alguns chamariam como “força de core”. Esses exercícios requerem um grande aumento na capacidade de se manter a musculatura toda contraída de forma muito intensa, assim conseguindo atingir os objetivos de cada movimento. Esses exercícios desenvolvem um grande treino dos músculos que envolvem a porção central do corpo (abdominais, músculos ao redor do quadril e dos ombros), ao mesmo tempo aumentando a flexibilidade e a estabilidade dessas regiões. 


Existem ainda outras vantagens em se utilizar o Kettlebell como a principal ferramenta de treino ou como complemento para uma rotina de musculação, ainda mais se você é homem e seu objetivo é aumentar massa muscular e adquirir força superior. Os exercícios podem ser realizados com dois kettlebles ao mesmo tempo, e com poucas repetições com total controle de movimento e uma busca do super enrijecimento. Se seu objetivo é perder peso, o ideal é atrelar a uma dieta, assim como em qualquer atividade. Qualquer pessoa que não tenha lesão pode usar o kettlebell, desde que esteja ciente para saber o que o esforço físico realmente significa. 

Contudo, como qualquer movimento atlético, até mesmo nas máquinas de musculação, se usadas de forma errônea, são um risco para o praticante. Por isso é muito importante se aprender de forma correta os movimentos utilizados, pois se esses forem usados da forma que devem ser, essa forma de treinamento não só é muito segura, mas estimula o fortalecimento das regiões que mais apresentam lesões (lombar, quadril e ombros). Para a prática da Kettlebell, é importante a orientação de profissionais qualificados, pois é necessário manter a postura correta para evitar eventuais contusões com os exercícios. "O KTB é aparentemente simples, mas exige bastante esforço e treinamento. Ela é indicada para quem já tem um nível bom de condicionamento físico e deseja intensificá-lo ainda mais", diz Gabriel. Segundo o educador físico, Leonardo Kajú "O Kettlebell é uma ferramenta incrível, mas assim como qualquer exercício o praticante deve prezar pela boa execução, carga, respeitar seu nível atual de treinamento, entre outros cuidados, para não torna-lo um instrumento mal aproveitado e lesivo. Com o treino correto e bem executado é possível fazer progressões até alcançar, com segurança e eficiência, os movimentos fundamentais da modalidade, como o Swing, Snatch (arranco), Clean”. Kajú, que é professor da Cia Athletica Recife também lembra é muito importante a realização do treinamento para mobilidade/flexibilidade, visto que alguns movimentos dependem de uma grande amplitude.

Existem cursos e livros que podem auxiliar a quem quer se iniciar nessa modalidade de exercício. E se você deseja comprar seus Kettlebells pode encontrar em vários sites (clique aqui e na Americanas ) diversos tipos e preços de acordo com seu objetivo e bolso. Segue algumas sugestões de exercícios e sites como “A Arte da Força” que podem auxiliar nisso.
Para saber +:

sexta-feira, 17 de março de 2017

ESTRELA: A talentosa Ana Furtado mais sexy e provocante do que nunca


A trajetória da nossa estrela de capa Ana Furtado começou em 1995 com a abertura da novela “Explode Coração”, no ano seguinte ela estava no comando do game “Ponto a Ponto”, e logo em seguida estreava como atriz na “Caça Talentos” (com Angélica) onde ficou por 2 anos. Hoje Ana está à frente do programa “É de Casa”, ao lado de Zeca Camargo, Patrícia Poeta e Cissa Guimarães. A cada novo passo Ana foi se familiarizando sobre a TV e conquistando seu espaço. Sempre disposta a um novo desafio, dentro ou fora da TV, aqui Ana explora seu lado mais ousado e sensual nesse belíssimo ensaio que nos deixou ainda mais fãs dela. Como se isso não bastasse, sua simpatia e disponibilidade em responder a essa entrevista mostrou como uma estrela de verdade sabe como conquistar seu público.

Ana, você deve ter ótimas recordações da novela “Explode Coração” não é? Afinal revelou você para o grande público. Que lembranças isso te traz? As melhores possíveis! Adorei fazer a abertura que deu um trabalhão viu?! Foram 5 dias de gravações intensas. Fiz o teste e assim que foi confirmada a minha participação eu já tinha um roteiro de ensaios para o dia seguinte. E em 48 horas eu já estava rodopiando com a coreografia que me revelou para o Brasil. Amei e adoro ser lembrada como "a mulher de vermelho" da abertura. 


Depois de passar muitos anos trabalhando como modelo e morando fora do país, você trouxe algo dessa experiência para sua vida de atriz? Viver já é uma experiência enriquecedora. Nos meus personagens sempre usei e uso referências que vivi ou testemunhei desde criança. Adoro observar as pessoas e às vezes me pego encantada ao me deparar com uma pessoa que por si só já é uma personagem. O jeito que anda, fala, gesticula, cheira, sorri... Guardo tudo na memória como num banco de dados que eu acesso quando necessário. Quando trabalhei como modelo já fazia uso desse recurso. Tinha que interpretar nas fotos ou nos desfiles mulheres diferentes de mim. 

Até hoje quais foram suas maiores realizações como modelo, atriz e apresentadora? A minha maior realização profissional é poder afirmar que trabalho há 25 anos no que me faz feliz. Destacar um ou outro trabalho seria injusto e não representaria essa real dimensão do que sinto e da importância que eu dou para tudo o que eu construí.

Sua última novela com uma personagem fixa foi “Louco por Elas” em 2012. Sente falta de atuar? Fiz duas participações divertidas na série do Joao Falcão. Foi um prazer contracenar com a Glória Menezes, Deborah Secco, Du Moscovis e a Luísa Arraes. Há pouco mais de 1 ano participei de “Chapa Quente” que também foi genial. Sempre aceito os convites para atuar porque são desafiadores para mim e eu adoro flertar com a ficção. 



Que desafios ser apresentadora te traz? Onde está o prazer na função? Apresentar é muito diferente de atuar. Lidamos com a realidade e eu não sou uma personagem. Não posso, não devo e não quero me esconder atrás da máscara que protege o ator ao atuar. As minhas emoções, opiniões, erros e acertos são todos meus. Essa responsabilidade e a coragem para enfrentar esse grande desafio é o que me move. É o que me faz sentir viva e humana. 

No “É de Casa” você parece estar bem à vontade juntamente com seus colegas de programa. É um trabalho que parece diversão. Mas quais as maiores dificuldades? É uma delícia fazer o “É De Casa” e essa diversão a que você se refere é literalmente o reflexo dos nossos bastidores. Somos uma equipe feliz e em sintonia, comprometidos em fazer sempre o melhor programa. Às vezes é difícil para mim ficar longe... assistindo de casa. Quero muito estar ali! Dividindo tudo com os meus colegas. Somos como uma família e vibramos muito uns pelos outros. Gostamos de compartilhar o que ensinamos e principalmente o que aprendemos. E olha que nós aprendemos muito a cada sábado com as várias histórias que ajudamos a contar.


O que esses anos todos de TV foram te ensinando em relação a prestação de serviço com o público, a diversão e a parte comercial do negócio? A TV é um canal de alcance poderoso e tudo o que falamos e mostramos é capaz de causar impactos positivos e também negativos na vida das pessoas. Fazer uma TV com respeito ao público e com responsabilidade é fundamental e isso foi sempre o que guiou cada trabalho meu nos últimos 20 anos. 

A TV digital e por assinatura cada vez ganha mais espaço hoje em dia. Que caminhos você enxerga para a TV aberta no futuro? Eu acho que a TV aberta continuará forte e num lugar de destaque dentro do mercado de comunicação brasileiro. Já respondendo a sua próxima pergunta, quando penso em internet e nos seus milhões de celulares, aplicativos e consumidores de informação eu acredito que essas duas plataformas podem conviver juntas ajudando uma a outra de forma eficiente. Na minha opinião teremos cada vez mais televisão na internet.




Com tanta fonte de informação por que as pessoas estão menos tolerantes ou até mais ignorantes (de um modo geral)? O problema é a qualidade e idoneidade da fonte de informação e a facilidade que temos para acessar e comentar uma notícia. A internet é uma ferramenta sensacional que nos permitiu ver e ter o mundo na palma da mão. O mundo se tornou plano, sem fronteiras e grandes distâncias. Tudo está ali, traduzido em todos os idiomas e ao alcance de todos. E como tudo o que é poderoso, também é perigoso. O mal uso da internet é danoso e muitas vezes irreversível. Hoje eu já digo para a minha filha de 9 anos que tudo o que a gente coloca na internet ficará ali para sempre. Para que ela tenha muita responsabilidade e cuidado com o que ela diz, faz e mostra. 


Você sempre aparece elegante e bela seja em que programa esteja. Como você lida com a sua vaidade? Até onde vai? E quando abre mão? Sou vaidosa sem exageros. Gosto de me cuidar mas sem a paranoia da busca pela perfeição. Não abro mão da minha saúde em detrimento da beleza. Nunca fiz loucuras e não aconselho ninguém a fazê-las. Eu já não uso maquiagem no meu dia a dia. Eu a substituo pelo protetor solar que é o meu maior aliado diário. E amo andar descalça em casa. AMO!

Ter sido modelo sempre te deixou mais ligada em moda e beleza? Existe mais cobrança hoje em dia em relação a ser belo? Pelo contrário. Hoje o belo pode ser o que era considerado feio ou fora do padrão de beleza do passado. A moda nunca esteve tão aberta para o diferente e o comum. Temos modelos lindas e poderosas com vitiligo, sardas, sobrancelhas grossas... Finalmente o Plus Size foi reconhecido e valorizado! São infinitas as formas do belo e a moda entendeu que hoje para consumir precisamos nos identificar com ela. Viva a diferença!!!

Como lida com redes sociais? Que força uma crítica nas redes tem para você? Sou light no uso das redes e as críticas não me abalam. 

E quando quer fugir disso tudo, o que faz sua cabeça? Brincar com a minha filha.


Fotos Pino Gomes
Stylist Ale Duprat
Produção de moda Marcella Klimovicz
Produção executiva Márcia Dornelles
Beleza Everson Rocha

Ana Furtado veste: Look 1 - Vestido em couto Abrand, corselet Balmain; Look 2 - Jaqueta de vinil Vintage Zoomp, body Blih, colar Ellus De Luxe