quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

BEM ESTAR: Paisagismo sem mistério


Seguindo a onda verde que cada vez se torna mais popular para em empresas como em residências, os jardins tem se tornado comum. Seja em terrenos em casa, telhados verdes em prédios ou mesmo paredes em terraços de apartamentos. Cada vez mais as pessoas optam por decorar suas casas com plantas e flores. Pensando em tirar algumas dúvidas e colher dicas de paisagismo a MENSCH conversou com o paisagista e botânico, formado em Engenharia Agronômica pela Universidade de Brasília e mestre em Botânica pelo Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Thiago Meneguzzo. “O paisagismo cumpre tanto papel prático e funcional, quanto de lazer, como oportunidade e meio de arborizar, trazer a natureza para mais perto das pessoas e melhorar a qualidade de vida”. Afinal verde sempre é muito bem-vindo, traz harmonia e bem estar em qualquer ambiente.

No caso de uma pessoa que mora sozinha, gosta de plantas, mas não sabe como cuidá-las e cultivá-las, Thiago comentou conosco que antes de começar a cultivar plantas é importante pesquisar um pouco sobre o assunto, como quando se decide criar um animal de estimação. Afinal cada tipo de planta tem exigências específicas, mas algumas práticas são comuns. A frequência de regar é ligada ao tipo de planta, temperatura, circulação e umidade do ar e exposição ao sol. Quanto mais quente, ensolarado, com ar mais seco e ventos fortes, mais regas são necessárias. “Plantas com caules e folhas mais finos e moles costumam exigir mais água e menor quantidade e intensidade de luz do que plantas grossas e firmes. Não é raro ouvir que uma planta foi comprada com flores e nunca mais floriu. A planta florirá novamente se receber água e luz corretamente. Além disso, adubação é essencial para crescimento e floração”, explica Thiago. 

Para algumas pessoas a rotina de viagens e de trabalho terminam não permitindo o cultivo de plantas. Porém uma boa saída são os cactos e suculentas, que são ótimas plantas porque exigem menos cuidados e toleram maiores períodos sem atenção. Na natureza elas costumam crescer lentamente e em locais secos, mas não necessariamente quentes e desérticos. Por isso, a frequência de regas e adubação é menor quando comparadas a outras plantas. Segundo Thiago, “elas costumam exigir luz mais intensa e por mais horas. Em ambientes internos, como apartamentos, eu recomendo que as plantas sejam colocadas bem próximas de uma janela”.




Sempre muito vistosas, as flores são um atrativo a mais no cultivo de plantas. Mas como mantê-las por mais tempo é uma questão importante. Tipos diferentes de flores tem durações também diferentes. Ao comprá-las em arranjos ou em vasos é desejável que a maioria dos botões estejam pouco abertos para prolongar a vida útil. Plantas floridas em vasos exigem mais regas. Uma dica de Thiago vai para os arranjos, “precisam ter a base dos ramos cortadas em diagonal e a água trocada todos os dias, mas as folhas e flores nunca não devem ser molhadas. Além disso, plantas floridas e arranjos não podem ser expostos diretamente ao sol, somente a luz indireta, e também devem ser mantidos em ambientes sem aparelhos de ar-condicionado para evitar desidratação e mudanças drásticas de temperatura”.

Para entender como funciona um projeto de paisagismo Thiago nos explica, “tenho sempre em mente que, diferente de um estudo de arquitetura e decoração, o paisagismo envolve outras questões e dinâmicas especialmente ligadas a frequência de uso e manutenção das áreas pela família, visitantes, empregados e crianças. Clima, solo, relevo, animais de estimação e demais plantas também são considerados. O projeto integra com as edificações, paisagem e com as pessoas de maneira harmoniosa e funcional. Geralmente o paisagismo é concebido para áreas externas, e por isso os materiais, objetos, organização e plantas devem ser apropriados e adaptados ao clima local. A escolha das plantas é sempre o ponto em que estou mais atento — cada espécie cresce em ritmo particular com demandas próprias de cultivo. Assim, posso projetar um jardim que exija mais ou menos manutenção de acordo com as plantas escolhidas.”



Para moradores de áreas grandes (casas com jardim ou mesmo terraços), a manutenção é algo importante para se manter o que foi criado. O trabalho de manutenção faz parte da rotina, para que com o tempo o projeto não perca a essência planejada. “Costumo criar listas e cronogramas de tarefas para jardineiros e proprietários quando gostam e tem disponibilidade de cuidar, além de supervisionar tudo pessoalmente pelo período acordado”, comentou Thiago.

Perguntamos a Thiago onde ele gostaria de criar um projeto e para nossa surpresa sua resposta foi em sua própria casa. “Por incrível que pareça seria minha própria casa. Atualmente moro no Rio de Janeiro, cidade com verões muito quentes e meu apartamento recebe poucas horas de sol por dia, o que limita bastante os tipos de plantas que eu posso cultivar. Eu basicamente tenho folhagens, já que flores exigem muita luz e clima mais ameno. É bem diferente fazer um projeto para eu mesmo do para um cliente. Por conta da minha vivência, ter visto muitos jardins e cultivado plantas, acabo sendo o cliente mais exigente. Por vezes me pego divagando sobre as possibilidades de um jardim projetado para uma futura casa. Gostaria de retomar o que tinha antes de me mudar para um apartamento: terreno grande, levemente inclinado com área para jardim na frente da casa, horta, pomar, canil e uma estufa para plantas mais exigentes e delicadas como orquídeas e bromélias.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário