quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

PERFIL: Felipe Hackel, empreendedorismo de berço

Enquanto a maioria das crianças ia à feira da Madalena ganhar passarinhos de seus pais e avós, Felipe Hackel era incentivado pelo avô a negociar pelas aves que queria comprar. As aulas de culinária nas férias rederam sanduíches que ele vendia às costureiras da confecção da mãe.

Não à toa, aos 16 anos, Felipe e mais três sócios, entre eles Murilo Gun (hoje comediante e renomado professor de criatividade), fundavam a BIT, uma das primeiras start up do Brasil que mais tarde teve 50% do seu capital vendido a investidores por 1 milhão de reais. E eles eram só adolescentes. O sucesso da empresa, que chegou a criar uma espécie de rede social e pedido de comida pela internet (alguém lembrou do Orkut, Facebook e iFood? Pois é, pioneirismo), fez Felipe largar o colégio, partir para um supletivo e fazer o que mais sabia e gostava: empreender.

Veio a crise das ponto.com em 2001 e o primeiro sonho dourado cibernético de muita gente deixou de existir. A queda foi proporcional ao sucesso, mas Felipe tem o que é essencial a todo empreendedor, seja qual for o tamanho do sonho e do negócio: paciência e persistência. Felipe Haeckel conhece bem o ditado “pra comer a carne tem de roer o osso” e ele não larga o osso enquanto não chegar na carne.

A saga BIT, no contexto da bolha da Internet, está sendo contada através de um documentário produzido pelo premiadíssimo cineasta pernambucano Léo Falcão, com previsão de estreia no primeiro trimestre de 2017.

O fechamento da BIT fez Felipe se questionar sobre sucesso e fracasso e as respostas se tornaram seu primeiro livro solo (já havia escrito um sobre comércio eletrônico com Murilo Gun): “Sucesso: o que eles Pensam”, uma coletânea de entrevistas com 119 empreendedores de Pernambuco, referências nos mais variados setores, contando suas histórias de sucesso e fracasso.
O livro deu destaque a Felipe e o fez criar uma rede de relacionamento de suma importância para os seus próximos passos além de receber na Assembleia Legislativa do Estado, através de proposta do Deputado Raimundo Pimentel, o Título de Cidadão Pernambucano, tendo sido o mais novo da história a receber essa homenagem.

Enquanto empreendia Felipe sentiu necessidade e vontade de preencher uma lacuna lá de trás, nos tempos do colégio e retornou aos estudos com força total sendo hoje formado em administração de empresas com dois MBA's: um em Gestão de Negócios e outro em Marketing e Vendas, ambos pelo CEDEPE Business School. É mestre Administração pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e especialista, pela mais renomada instituição de ensino do mundo, a Harvard University (Boston/EUA), em Liderança e Negociação.

Hoje, aos 33 anos, Felipe Haeckel é sócio da Construtora Pasárgada que mesmo em tempos de crise, entregou entre o fim de 2015 e esse ano, duas novas obras de alto padrão e da Pedra do Reino Investimentos empresa que investe em hotelaria, sócia do Íbis Budget Piedade, primeiro hotel super econômico de Pernambuco, e o único dessa categoria de bandeira internacional à beira mar da América Latina. Ainda para o ano que vem iniciará a construção de mais três novos hotéis. Um fato curioso nessa empreitada imobiliária é o fato de seus dois sócios terem sido entrevistados por ele no tempo do livro de 2004.

Dormindo somente 4 horas por dia Felipe finalizou seu quarto livro, “Sucesso: o que os Líderes Pensam”, que reúne 100 (cem) dos maiores e mais influentes empreendedores de Pernambuco vários segmentos. Por acreditar que empreender transforma Felipe disponibilizou gratuitamente 100% dos dois livros, o publicado em 2004 e o desse ano, em www.sucesso.pe para que o conteúdo tivesse acesso amplo e irrestrito.

AÇÃO: Under the sea - Um tesouro escondido no mar de Noronha

Falar que Fernando de Noronha é um paraíso, é cair no lugar comum. Mas muitos esquecem de mencionar que Noronha é um paraíso até mesmo embaixo d’água. A ilha oferece várias modalidades de passeios aquáticos, desde mergulhos de snorkel até os de cilindro e conta com inúmeros sites para as atividades.  Nós, da equipe MENSCH, fomos lá conferir para trazer as dicas para vocês leitores. 

O mergulho de snorkel na praia do Porto já traz um gostinho para os aventureiros. Lá há um naufrágio a cerca de 4m de profundidade, que consegue ser explorado em apneia e já faz a viagem valer a pena. Mas nada se compara à sensação de mergulhar com cilindro, uma vez que não há a necessidade de voltar à superfície repetidamente para “tomar mais fôlego”.  O mergulhador atinge uma profundidade maior e pode se entregar de corpo e alma à atividade, adentrando em uma experiência de contemplação da vida marinha. Engana-se quem pensa que esse tipo de mergulho é só para profissionais. Muito pelo contrário, o “batismo” é a modalidade específica para quem não fez o curso, mas quer deixar de ser um “peixe fora d’água”. 

Nós contactamos a escola de mergulho Atlantis Divers (na Praça do Cruzeiro) e realizamos nosso mergulho no domingo, dia 21 de junho. No dia marcado, a escola provê a condução desde a hospedagem do aventureiro entusiasta até o porto (e de volta, claro). Lá no porto, a pessoa tem que apresentar documento de identidade junto à carteirinha de permissão de entrada na reserva (não esqueça, trata-se de área preservada!).


Embarcamos e seguimos ao local escolhido para aquele dia, a Praia do Meio (normalmente as escolhas se dão no próprio dia, pois levam em consideração as condições de mergulho – como correnteza e visibilidade). Na embarcação (no nosso caso foi o Catamarã Explorer) há a apresentação da equipe e uma preleção onde se passam as posturas básicas e alguns gestos de comunicação e, ainda, sanam-se as eventuais dúvidas dos mais receosos.

Como se trata do “batismo”, a regra é clara; cada aventureiro será escoltado por um instrutor – que manterá sempre contato físico com a pessoa (em geral, eles seguram pelo “primeiro estágio” - aquela “torneirinha” que fica na parte superior do cilindro de oxigênio.  O “segundo estágio”, ou regulador, é a parte que vai na boca (que eles ensinam como usar na preleção; mas é, basicamente, um snorkel que funciona na água). Toda essa parte no barco já gera uma sensação de adrenalina no ar, mas é “descendo” que a aventura propriamente dita começa.

A atividade de mergulhar per si já é maravilhosa. Lá embaixo, você não nada freneticamente, mas se permite flutuar.  Tudo flui em um compasso harmonizado com a natureza e – de quebra – você observa lindas criaturas, algas e corais, fora partes de embarcações de outro século. Lembre-se de levar uma máquina à prova d’água (10m) para registrar esse momento e compartilhar com seus amigos menos afoitos.

O mergulho dura cerca de 40 minutos, mas voltamos com a sensação de ter passado só quatro; querendo sempre mais.  Além dos batismos, há a presença de alunos (a escola ministra diversos cursos) também acompanhados de instrutor, e de mergulhadores credenciados, acompanhando algum amigo (como esta redatora que vos fala, que acompanhou o fotógrafo da equipe).

Retornamos ao barco e após um intervalo de 20 minutos, os credenciados e instrutores realizaram um segundo mergulho.  É o que chamam de mergulho repetitivo, mas isso é assunto para outra matéria, quem sabe?  Até lá, crie coragem para mergulhar nessa aventura que é o fundo do mar!


SERVIÇO:
A MENSCH mergulhou com a equipe da Atlantis Divers - Vila dos Remédios, - Fone: 81-3619.1371 / 3619.1488 - Reservas Natal: 84-3206.8840 / 3206.8841 - info@atlantisdivers.com.br