quinta-feira, 28 de setembro de 2017

PERFIL: Hugh Hefner - ícone do lifestyle masculino


Ele soube como ninguém viver a vida. Certamente viveu a vida de muitos homens e foi invejado por outros tantos ao redor do mundo. Hugh Hefner faleceu na madrugada do dia 28 de setembro deixando um legado marcante. Criador de uma das marcas mais conhecidas no mundo, Hefner criou Playboy numa época onde falar de sexo e política abertamente era algo proibido. Em 1953, recém demitido da revista “Esquire” após ter aumento negado Hefner pediu um empréstimo para abrir seu próprio negócio. Com mil dólares no bolso, a vontade de fazer algo, em agosto de 1953, aos 27 anos, ele lançou o primeiro número de Playboy, com a estrela Marilyn Monroe, ainda no início de carreira, com a icônica foto nua em uma cama com lençóis de veludo vermelho. Começava aí uma trajetória de sucesso de uma das marcas mais rentáveis no mundo e nascia o homem mais invejável do planeta.




A edição número 0 deu certo e em seguida vieram muitas outras. Contando com a colaboração de jovens escritores e fotógrafos que futuramente também virariam ícones, Hefner foi criando o seu conceito de viver bem, ultrapassando tabus, protestos de feministas e até a II Guerra Mundial (o avião da Playboy chegou a levar revistas e coelhinhas para alegrar os soldados em guerra). 

“Quando Hef (Hugh Hefner) criou a Playboy, ele fez isso para defender a liberdade pessoal e sexual em um momento que os Estados Unidos eram dolorosamente conservadores. A nudez desempenhou um papel no debate sobre nossas liberdades sexuais”, afirmou a equipe da Playboy. Nas primeiras décadas da publicação, os conservadores que se escandalizavam com a nudez nas bancas de revista eram uma dor de cabeça constante para o editor, mas as feministas também estavam entre as críticas do estilo vendido pela Playboy. 

O ícone, que antes seria um veado, virou um coelhinho e daí por diante uma marca fortalecida pela imagem das famosas coelhinhas. Que ao longo dos anos foi revelando mulheres que se tornaram símbolos sexuais tão famosas quanto as estrelas de Hollywood, como por exemplo Pamela Anderson, ícone e maior recordista de capas da Playboy (14 capas ao todo). Playboy também foi famosa pelas suas entrevistas com personalidades mundiais, tais como o líder cubano Fidel Castro, o presidente sandinista da Nicarágua, Daniel Ortega, durante seu confronto com Ronald Reagan em 1983; e Martin Luther King, depois de receber o Nobel da Paz.




Hefner também virou notícia por conta de seus vários relacionamentos e casamentos, ele se casou por primeira vez em 1949 com Mildred Williams, com a qual teve dois filhos, e se divorciou dez anos depois. Após três décadas com um estilo de vida desenfreado, em 1989 se voltou a casar, desta vez com a “coelhinha” da Playboy daquele ano, Kimberley Conrad, 36 anos mais jovem que ele, com a qual teve outros dois filhos e de quem se separou em 1998. Hefner também ficou conhecido por festas em sua Mansão Playboy e por ter várias namoradas ao mesmo tempo ao longo da vida. Seu estilo de vida foi retratado no reality show "Girls of Playboy mansion", cujas primeiras temporadas tinham as loiras Kendra Wilkinson, Holly Madison e Bridget Marquardt. Ninguém pode negar que o grande Hefner soube como ninguém curtir a vida. Sua última esposa foi Crystal Harris, “coelhinha” da Playboy em dezembro de 2009. Ela tinha 26 anos e ele 86 quando se casaram, em 2012.

"Meu pai viveu uma vida excepcional e impactante como pioneiro da mídia e da cultura e liderou movimentos sociais significantes em seu tempo", disse Cooper Hefner, filho de Hugh e atual chefe criativo da Playboy.






Fontes: O Globo, Exame, Veja, G1, Playboy