DESTINO



Como toda boa amizade começa pelas apresentações, Istambul é a maior cidade da Turquia. Mesmo não sendo a sua capital política, com certeza podemos denomina-la de capital cultural e económica. Em 2010 a cidade recebeu o título de Capital Européia da Cultura. Esta também foi capital de muitos impérios na antiguidade como o Romano, Bizantino, Latino e Otomano. Destas fusões e repertórios nasce uma Istambul mística, repleta de Mesquitas Islâmicas, Sinagogas Judaicas e Igrejas Bizantinas todas lado a lado.

Istambul impressiona pela diversidade co-habitando harmonicamente. Se de um lado você pode observar mulheres de burca ou com lenços cobrindo os cabelos. Por outro lado, pode apreciar jovens de mini-saias e decotes fazendo uma fusão entre o moderno e o tradicional. O mesmo observa-se na arquitetura composta por ruínas da antiga Constantinopla e do Império Romano. Os palácios sumptuosos se encontram entre construções contemporâneas. Na história recente da Turquia, Atäturk, (Pai dos Turcos, em turco), em 1922, acabou com os privilégios dos Sultões e estabeleceu a democracia ao país. Este fez ainda outra grande revolução na vida deste povo quando aboliu a escrita Árabe-Otomana e introduziu o alfabeto ocidental.


A cidade é um verdadeiro caos divino, pulsante, iluminada, barulhenta e populosa (concorre com Londres pelo título de mais populosa da Europa). O povo turco é hospitaleiro e a sua alegria contagia e, em alguns aspectos, pode-se comparar ao Brasileiro com a sua informalidade e com tino comercial. Lá tudo se vende. Contudo, é importante estar bem informado sobre a cidade antes de viajar. Não será muito fácil encontrar alguém que fale outra língua que não o turco. Dirigir na cidade pode ser uma experiência inesquecível, mas confusa e por vezes stressante, além do que as placas de sinalização são em turco também. Pelo centro da cidade os transportes públicos fazem bem a sua função e não se necessita de carro.

Uma das impressões mais marcantes em Istambul são os cheiros, para mim pareceu um “mix “de café, amêndoas e curry, simplesmente fantástico. Nessa temática, paradas obrigatórias são o Grande Bazar, dizem que é o maior mercado coberto do mundo, parece um labirinto de ruas, com mais de quatro mil lojas, cobertas por uma imensidão de produtos, desde de especiarias e souvenirs aos tradicionais candeeiros de vidro e louças tipicamente pintada, passando pelas jóias. No Bazar Egípcio, também chamado de Bazar das Especiarias, basicamente se vende especiarias e os famosos doces turcos. Uma mistura de melaço com frutos secos. O Bazar Egípcio não é tão turístico quanto o Grande Bazar e por isso pode-se encontrar melhores preços e um ambiente mais tranquilo.

Em Istambul não há preços afixados, é preciso “pexinxar”, e negociar é algo que os vendedores fazem com prazer. Nos lugares mais turísticos é mais fácil encontrar quem fale inglês e espanhol. Mas, se perceberem que você é brasileiro não será difícil ouvir um “obrigado” ou Kaká, Dunga, Ronaldo. Trata-se de um país apaixonado por Futebol. Os principais times de futebol que disputam as discussões na rua são o Fenerbahce e o Galatasaray. Eles são tão fanáticos por futebol quanto nós e uma das situações engraçadas que pode acontecer é você perguntar a um grupo de pessoas qual é o melhor.

A ideia de que Istambul é uma cidade exótica e muito diferente da Europa é desfeita assim que se começa a caminhar pela cidade. Uma passada na praça Taksim e pode-se perceber como a cidade é cosmopolita. Geograficamente Istambul está dividida em dois continentes, Europa e Ásia, mas, caminhar pelas suas ruas e avenidas não é muito diferente de um passeio pela Espanha ou Portugal, por exemplo. A cidade é dividida pelo Estreito de Bósforo e o norte do Mar de Mármara, que separa o lado ocidental do asiático no eixo Norte-sul, e ainda no sentido este-oeste é dividido pelo Corno de Ouro. Considera-se que a cidade tem dois centros históricos. No entanto, é do lado ocidental que podemos encontrar os principais monumentos da cidade. Mas, no lado asiático vale um passeio pelo centro da cidade e uma passadinha em um bairro chamado Moda. É com um passeio na orla que dá para se ter uma bela vista do Bósforo para o lado ocidental. E a travessia de barco pelo Bósforo é rápida e tem uma vista fantástica.

Dos monumentos históricos sem dúvida, um dos mais deslumbrantes é a Mesquita Azul na verdade se chama Sultan-Ahmet, mas recebeu este apelido por causa das paredes azuis em seu interior. É estonteante e nada próximo do que conhecemos na nossa cultura ocidental a beleza do lugar. A Hagia Sofia é o cartão postal da cidade, foi uma igreja do Império Bizantino, depois mesquita dos Otomanos, influenciada pelas culturas islâmicas e cristãs. Foi construída no século V. Outra, das principais das dezenas de mesquitas espalhadas na cidade é a Süleymaniye Camii. Considerada como uma das mais importantes construções sacrais da cidade e foi construída aos comandos do sultão Süleyman.


Outro monumento imponente, que pode ser contemplado em praticamente qualquer ponto da cidade é o Palácio Topkapi, que foi por muitos anos a sede e local de moradia do sultão, além de harém e casa do tesouro. Foi construído em 1453 pelo sultão Mehmet II. São diversos edifícios com arte otomana. No harém os sultões eram acompanhados de centenas de mulheres. Algumas criadas, mas em grande parte suas mulheres. No Harém chegaram a viver cerca de 1000 mulheres, sendo cerca de 500 criadas e 500 esposas ou pretendentes. Desde 1923 um museu está disponível dentro deste palácio com peças históricas como louça, armas, prataria e jóias e ainda um dos mais antigos exemplares do Corão.

Outro ponto interessante da cidade é o Hipódromo de Constantinopla, fundado pelo imperador Severinus Septimus como palco de prática desportiva, com capacidade para 100 mil pessoas. Hoje é a chamada Praça Sultanahmet e nela estão duas relíquias da humanidade que atravessaram a história. São dois obeliscos. Um trazido pelo Imperador Teodósio, o Grande, no ano de 390 do Egito que ficava no Templo de Karnak, em Luxor e feito redor do ano 1490 a.C. O outro foi trazido do Templo de Apolo, em Delfos, e a colocado no centro do hipódromo e hoje sobrevive há mais de 3.500 anos.
  


A cidade conta com duas importantes torres, a Torre de Leandro, ou conhecida como torre da Donzela, é um farol do século XVIII. A torre fica no Bósforo em uma ilha e possui um restaurante em seu topo com uma vista panorâmica da cidade. Já a Torre Galata fica no centro da cidade, no lado ocidental, foi construída em 1348 e tem 62 metros de altura e possibilita também aos visitantes uma vista fantástica da cidade.

Além de visitar a riqueza histórica e presenciar a diversidade cultural da cidade, vale a pena sentar em um terraço e apreciar um bom chá turco com torrões de açúcar e fumar um Narguilé. Não deixe também de experimentar o café turco, e quem sabe você dá a sorte de alguém ler na borra do café o seu futuro. Istambul é rica em sabores, cores e essências, de espírito e sentidos abertos a experiência que essa cidade proporciona é inesquecível e certamente têm um gostinho de quero mais.
 
SERVIÇO
Como chegar:Existem dois aeroportos na cidade. O Aeroporto Internacional Ataturk fica na parte europeia. Há um Metrô que faz ligação para diversos pontos da cidade e cada passagem é 1,75 Liras turcas. Mas o Aeroporto de Sabiha Gokcen fica na parte asiática da cidade, a quase 60km do centro. É de acesso complicado, precisa pegar ônibus que levem para centro da cidade que pode ficar em torno de 20 euros.

 

Como circular:
O mesmo metro que pega do aeroporto, circula em diversos pontos da cidade. No centro histórico não há necessidade de transportes, tudo pode ser feito caminhando e assim se conhece melhor a cidade. Moeda: A moeda em Istambul são as Liras turcas, no momento estão valendo o mesmo que o real, praticamente hum para hum. Deixe para trocar em Istambul, as cotações são bem mais baixas do que na Europa.
Onde ficar:
Istambul tem hospedagem para todos os preços. O melhor lugar para se hospedar é na região de Sultanhamet, onde estão as maiores atracões e monumentos históricos.

Hotel Sultanhan – Av. Piyerloti, 15. Reservas pelo e-mail info@sultanhanhotel.com
Preço: De 190 a 300 euros a diária
Hotel Antea – Av. Piyerloti, 21. Reservas:
info@anteahotel.com
Preço: De 60 a 140 euros a diária.

Pera Art Suites – Av. Istiklal, 14. Reservas pelo site
www.artsuiteshotel.com
Preços: a partir de 40 euros a diária.
Se quer viajar barato, a opção são os hostels, o local de procura mais confiável, na minha opinião, é através do site www.hostelworld.com , paga-se apenas um depósito de 10% mais uma taxa de 1,50 euros de serviço e o restante no hostel quando se instalar.

Onde Comer:Comer não é caro na cidade, tem para todos os preços, desde os tradicionais Kebabs aos prato mais sofisticados. Todos os restaurantes tem o cardápio do lado de fora, vale a pena dar uma olhada antes de sentar. Uma boa refeição em um restaurante no centro pode variar entre 15 e 35 liras turcas.

 


Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb 

______________________________________________________________________________________________


A capital da Suécia é um dos lugares mais quentes do verão Europeu. Quem visita Estocolmo nos meses de sol e calor se impressiona com a beleza e alegria dessa cidade que vive intensamente seus longos dias e noites curtas.

Estocolmo é uma daquelas cidades especiais que conseguem combinar as coisas boas de uma metrópole com a qualidade de vida de uma cidade pequena. Aqui no verão apesar do excelente transporte público pegar o metro é totalmente desnecessário. Não tem jeito melhor para conhecer a cidade do que a pé ou de bicicleta. Nos centros de informação turística se pode comprar um passe de três dias para usar as bicicletas públicas disponíveis nas principais praças e esquinas da cidade. Comece a visita pelo antigo bairro de Gamla Stan.


Testemunha da história medieval de Estocolmo, o Gamla Stan tem casarões antigos e vielas com belos monumentos. Os turistas parecem não sair da rua principal do bairro então é fácil encontrar ruelas tranquilas que guardam paisagens autenticas e alguns bons restaurantes. Para completar a visita ao bairro e entender melhor a história da cidade vale conhecer o museu medieval. Muito bem montando esse museu fica escondido embaixo de uma das muitas pontes que conectam as ilhas do centro. Ele foi construído no único local onde ainda se pode ver o que restou da antiga muralha que protegia a cidade. O museu reúne objetos encontrados em escavações e conta a história dos dias negros de guerra que viveu a cidade na Idade Média.

Falando em história é em Estocolmo que fica um dos museus mais impressionantes que eu já tive a oportunidade de visitar. O Vasamuseet  guarda uma incrível caravela do século XVII que naufragou próximo ao porto da cidade e foi totalmente remontada após seu resgate em 1961. O Vasa é um dos principais pontos turísticos da cidade e realmente uma experiência imperdível.


Depois dos passeios culturais reserve uma tarde para os parques e a orla da cidade. Além do visual maravilhoso do centro com suas igrejas e palácios a paisagem fica completa com as belas suecas sorridentes que passeiam pelas ruas curtindo o tão esperado verão. Se você não é do tipo esportista escolha um dos bares a beira mar e aproveite o visual. Quando a fome vier deixe a bem frequentada orla e procure pelo Ostermalms Saluhall


Esse mercado municipal é um verdadeiro paraíso para os amantes da gastronomia ou turistas bons de garfo dispostos a experimentar a culinária local. Comece com as maravilhosas almôndegas suecas, faça uma degustação de arenques, experimente a deliciosa salada de camarão ou se aventure com o filé de rena. São tantas as ótimas opções que eu tive que almoçar quatro vezes no Saluhall para dar conta dos principais pratos que eu queria provar. Que pena que não deu para trazer aquela costela de alce na mala para o próximo churrasco dos amigos no Brasil. Atenção aos horários de funcionamento do mercado que só abre para o almoço. 

Com os dias muito longos e a noite chegando só depois da meia noite é comum perder a hora do jantar. A maioria dos restaurantes fecha as dez quando o sol ainda esta alto. Alias não espere o por do sol para curtir a noite de Estocolmo. Às oito comece a subir a Rua Birger Jarlsgatan e escolha um dos animados happy hours. Procure pelo Riche ou o East que são uma mistura de restaurante e bar muito bem frequentados.





Outra ótima pedida é o Josefina ao lado da Vasamuseet. Esse bar aberto somente no verão com seu enorme terraço ao ar livre é o local perfeito para tomar uma gelada e sentir as boas vibrações da cidade. Aqueles que quiserem esticar até altas horas podem seguir para o Studio F12 no mesmo local onde funciona um dos restaurantes mais badalados da cidade com o mesmo nome.  

Quem se empolgar pode conferir um after hour na Hells Kitchen, uma das casas mais badaladas da cidade que só esquenta depois das duas da manhã. Para conferir os dois últimos endereços vale ligar antes para colocar o nome na lista e rechear a carteira com muitas Coroas Suecas. O imposto sobre bebida alcoólica na Suécia é altíssimo e um coquetel pode custar bem mais do que aquele almoço maravilhoso no Saluhalls. O melhor a fazer quando estiver na noite de Estocolmo é esquecer quantas Coroas valem um Real e aproveitar a alegria do verão nesse lugar espetacular. Visitar Estocolmo seguramente vale cada centavo e vai ser difícil você não colocar a cidade entre as cinco mais bonitas da Europa.

Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb 

____________________________________________________________________________


Esparramada na beira do lago Michigan Chicago tem como marco seus edifícios enormes de mais de 90 andares e o belo Lago Michigan que dá a ela um agradável ar de cidade de praia.

É na beira do lago que os locais curtem a sua cidade no verão. Alugue uma bicicleta ou relaxe nas areias de North Beach como se estivesse à beira mar. No centro são muitas as opções culturais. No Millenium Park em um palco gigante se apresentam bandas diariamente em shows gratuitos no verão. Por pouco não pego o festival de Blues na cidade. Para os apaixonados por Rock vale conferir o Lollapalooza um dos mais completos e tradicionais festivais dos EUA.

Falando em Rock tive a oportunidade de me hospedar no Hard Rock Hotel que além da localização ideal tem conforto de hotel cinco estrelas e decoração temática com carpetes com desenho de amplificadores, relíquias de artistas nos halls dos elevadores e fotos gigantes de músicos nos quartos. Alguns podem achar um pouco excêntrico tomar banho olhando para a foto do Keith Richard chapado ou acordar e ver a Tina Tuner se esgoelando na parede do quarto, mas eu recomendo a experiência. O hotel fica próximo à conhecida “Magnificent Mile” que serve como avenida principal do centro e concentra as melhores lojas da cidade.

A oeste do centro, já distante do lago, ficam os bairro de imigrantes que formaram Chicago. Vale conhecer o Ukranian Village, o antigo bairro dos operários Ucraniano é hoje um centro cultural da cidade com várias galerias de arte. Outra ótima pedida para quem quer comer bem é o Greek Town. A rua principal do bairro grego tem ótimos restaurantes que servem receitas típicas e frutos do mar fresco.

Se durante o dia Chicago tem uma lista vasta de museus, bairros e parques, à noite a cidade esquenta principalmente ao ritmo de Jazz e Blues. Segundo a história contada nos bares, migrantes negros vindos do Mississipi, Alabama e Louisiana trouxeram as raízes do Jazz à Chicago.  Para adaptar a música aos bares barulhentos da cidade a versão acústica foi ligada a amplificadores evoluindo até o Blues imortalizado por BB King, Muddy Walters e Buddy Guy. O último tem um clube de blues com seu nome na cidade e se você der sorte pode ver o mestre tocando ao vivo em sua própria casa. A East Hubbard Street no centro tem alguns bons clubes de Jazz e bares, outro famoso é o The Back Room na mais sofisticada North Rush Street.

Foi nessa região que curti a minha melhor noite em Chicago. A Rushé um pólo de vida noturna com diversão para todos os gostos. Na altura da East Cedar ficam bons restaurantes com mesa na calçada, bares sofisticados e algumas casas noturnas mais exclusivas, subindo algumas quadras ao norte até a Division street o clima já fica bem descontraído. Comece a noite com um jantar Tailandês no The Big Bowl. Por lá comi um excelente camarão ao curry e molho de amendoim que me fez voltar na última noite da viagem. Após os jantar atravesse a rua e comece a esquentar a noite no Cedar Hotel. Esse antigo hotel desativado é hoje um dos bares mais agitados da região com várias mesas na varanda que começam a lotar no meio da tarde e são bem frequentadas por um público na casa dos 30.

Subindo um quarteirão até a Division Street estão os pubs e boates onde os universitários da cidade pisam na jaca. Aqui esqueça o glamour e divirta-se com o ambiente despojado e insano desses pubs. Ao som de pop de rádio o clima é de comemoração, seja por uma vitória do Chicago Bulls na liga de Baseball ou uma despedida de solteiro, grupos de gente divertida e calibrada entra e sai dos bares que se espremem em um mesmo quarteirão.

No primeiro que entrei parou uma Limousine cor de rosa de onde saíram 20 garotas comandadas por uma senhora de mais de 60 anos que carregava um pinto inflável maior que ela. Pela alegria da senhora logo deduzi que ela era mãe da garota com um véu de noiva que comemorava sua despedida de solteira. Foram bons 30 minutos de risadas com a bizarra performance da senhora dançando com as filhas em cima do bar e bolinando todos os que passavam com o seu brinquedo inflável de gosto duvidoso.
À noite em Division Street segue nesse clima quase carnavalesco até altas horas. Aproveite a liberdade de entrar e sair dos bares da rua sem pagar entrada e faça o seu roteiro. Como dica ao leitor que tenha mais de 20 anos, sugiro evitar os tradicionais shots coloridos servidos em tubos de ensaio que as garçonetes sorridentes tentam vender por três Dólares. A ressaca será dolorosa e inevitável.

SERVIÇO
Hard Rock Hotel - 230 North Michigan Avenue
Chicago, IL 60601, EUA
(312) 345-1000

Back Room - 1007 North Rush Street
Chicago, IL 60611-1272, EUA
(312) 751-2433

Big Bowl - 60 East Ohio Street, Chicago
(312) 951-1888

Cedar Hotel - 1112 North State Street
Chicago, IL 60610, EUA
(312) 944-1112

Siga a MENSCH pelo Twitter: @RevMensch e baixe no iPad pela App Store.

__________________________________________________________________________


Muito além dos Alpes nevados e do fondue a Suíça é um grande destino no verão. Com suas principais cidades localizadas a beira de belos lagos e rios as paisagens são lindas e o alto astral toma conta das ruas das cidades. Comecei minha viagem por Berna atravessando os Alpes de trem vindo de Milão.

As paisagens no caminho são maravilhosas principalmente na fronteira da Suíça e Itália que mesmo no verão tem o cenário coberto de neve. Nessa viagem para o desespero dos Suíços a linha de trem estava interrompida em um dos túneis da fronteira e tivemos que fazer a travessia entre Domodossola na Itália e Brig na Suíça em ônibus. O acidente de percurso acabou virando um tour cenográfico das montanhas me deixando com vontade de um dia repetir a viagem com um carro alugado. Chegando a Berna outra agradável surpresa. A pequena capital da Suíça tem arquitetura medieval única bem diferente de outras cidades históricas européias. As ruas principais do centro estão repletas de belas estátuas, edifícios centenários e torres com seus famosos relógios.  



No final da tarde os bares e restaurantes que quase sempre tem porões usados no inverno sobem o serviço para as calçadas no verão. Em uma noite quente e estrelada como a minha primeira em Berna parecia um insulto ficar em casa. A cidade inteira estava jantando ou tomando um trago ao ar livre. Apesar do aparente clima de festa, Berna é uma cidade bem tranquila que deve ser apreciada durante o dia. Uma caminhada na beira do rio mostra que a poucos quilômetros do centro o cenário é quase rural. Aproveite para comprar uma sesta de framboesas frescas na feira de rua ou experimente o tradicional filé de cavalo em um dos restaurantes com mesas ao ar livre. Sim, na Suíça diferente do nosso filé a cavalo o “Steak de Cheval” não leva esse nome por vir acompanhado de dois ovos, mas sim por ser realmente carne de cavalo muito apreciada na região.
Rumo à...
Relaxado após um dia bucólico tomei o trem rumo à cidade grande. Se Berna floresce no verão Zurique bomba. A quantidade de eventos principalmente noturnos surpreende para o tamanho da cidade. Zurique não é só conhecida como capital do chocolate, mas também pela cena de música eletrônica que levou seus DJs a tocar nos melhores clubes do mundo. Mal cheguei e já fui convocado para um happy hour no Valmann que lota as quintas-feiras. No local uma mistura de banqueiros almofadinhas com gente mais descolada que estava mais preocupada em dançar e se divertir do que distribuir seus cartões de visita. Fui buscar uma cerveja e enquanto me esforçava com o meu alemão sofrível percebi que no bar se falavam pelo menos cinco idiomas. Era normal ouvir um grupo começar uma conversa em alemão, passar para o inglês e fechar com o italiano sem mudar o assunto.


No dia seguinte fazia muito sol em Zurique e fomos curtir a cidade a beira do lago. Nessa tarde conheci dois aspectos admiráveis da cultura local. O primeiro foi me deparar com um rio de águas cristalinas cruzando uma cidade grande, fato chocante para um Brasileiro. Na Suíça o respeito pelos rios e lagos é tão forte que as cidades competem para mostrar quem tem a água mais pura.



Aqui garrafa de água mineral é artigo de luxo já que se bebe água potável nas fontes públicas e em qualquer torneira. Em dez minutos de caminhada comprovei o segundo ponto que reforça uma visão diferente e evoluída da convivência social na cidade. Aqui ninguém se importa com o que você esta fazendo em público desde que não interfira na vida do próximo. Casais gays trocam malhos ao lado de velhinhos que fazem pic-nic felizes com seus netinhos na beira do lago. Alguns metros à frente um senhor de uns 60 anos com um metro e meio de altura e pança passeava vestido com um maiô feminino verde de tricô e seu poodle branco. Uma cena capaz de parar Ipanema na praia de Zurique ninguém se abalava.

No final da tarde de Sábado fomos curtir o por do sol em Oberen Letten. Antes um reduto de viciados que podiam se drogar livremente nessa parte da cidade a região foi limpa e revitalizada e hoje funciona como praia da juventude local que ao som de DJs promove festas a beira de um canal. Compre uma cerveja gelada e curta o som observando a diversidade do local que no inicio da noite irá reunir a galera que esta fechando o dia ainda em traje de praia com aqueles que estão fazendo o esquenta da noite. A meia noite o parque fecha e o pessoal segue embalado para os bares do centro ou os clubes de West Zurique. É nessa região que funcionam as casas noturnas maiores onde a festa se estende pela madrugada. Procure a Supermarket que aos sábados começa a encher depois da uma da manhã.

Antes de entrar vale conferir a frequência e programação das casas vizinhas. Cuidado para não ficar sem o dinheiro do taxi. Um fato marcante e desanimador da Suíça, principalmente em Zurique é que seus Francos voarão da carteira com a mesma facilidade que você irá se encantar com a cidade. Com cerveja a R$ 20 e coquetéis a R$ 40 sem falar na taxa de entrada das boates uma noite de farra pode custar caro. Apesar do investimento vale à pena curtir cada minuto do abençoado verão suíço bebendo muita água da torneira e livre do moralismo chato que domina outras partes do mundo.


SERVIÇO:
Valmann - Talstrasse 58, 8001 Zurich, Suiça - F: 043 497 31 31 - www.valmann.ch/
Supermarket - Geroldstrasse 17, 8005 Zurich - F: +41 (0)44 440 20 05 - www.supermarket.li
Site recomendado para curtir a noite em Zurique: http://www.zuerich.com/en/Visitor/Gastronomy/Nightlife.html


Texto: Fernando Russo
Fotos: Fernando Russo, Divulgação



Acompanhe a MENSCH também pelo Twitter: @RevMensch
E baixe no iPad as edições, é grátis:
http://goo.gl/Ta1Qb

_________________________________________________________________________


Um roteiro para fazer muito bem acompanhado, os lagos do norte da Itália oferecem paisagens espetaculares, vilarejos medievais autênticos, e uma bela experiência gastronômica longe das multidões de turistas que invadiram a Toscana e as principais cidades da Itália. Comece sua viagem por Milão. Vale ficar pelo menos duas noites curtindo essa que é a cidade mais cosmopolita da Itália.
Aqui os clichês de capital da moda estão mais presentes que em Paris. Pelas ruas todos andam elegantes e o desfile de Ferrari e modelos faz parte da rotina da cidade, principalmente na região conhecida como “Quadrilatero D`Oro” onde se concentram as lojas das principais grifes Italianas. Se futebol faz mais a sua cabeça não perca uma partida no San Siro.  Além de ver os grandes craques ao vivo a experiência da arquibancada já vale o ingresso que geralmente é bem mais fácil de comprar no próprio estádio do que em outros países da Europa.

Terminada a visita a Milão alugue um carro e siga para o norte em direção ao Lago Maggiore. Comece pela cidade de Stresa que fica a beira do lago e tem como grande atrativo suas ilhotas – Isola Bella e Isola Pescatori que ficam a 10 minutos de barco da cidade.  A primeira tem um maravilhoso palácio com o jardim mais impressionante que eu vi na Europa. A segunda tem um belo vilarejo medieval cheio de restaurantes, que apesar da quantidade excessiva de turistas ainda conserva seu charme.  No final da tarde vale cruzar as montanhas até o lago vizinho – Lago D’Orta. Foi aqui que encontramos a cidade mais interessante e tranquila da viagem – Orta de San Giulio. Esse espetacular vilarejo medieval é um tesouro escondido dos turistas. Aqui você pode ficar em um hotel com vista para o lago por menos de 150 Euros.
Assim como Stresa, Orta também tem a sua maravilhosa ilhota – Isola de San Giulio, onde no lugar dos restaurantes turísticos reina o silencio total e casas medievais bem preservadas. Compre uma garrafa do ótimo vinho Gattinara exclusivo da região na mercearia próximo da praça principal. Se você resistir à degustação de salames e queijos que o simpático dono vai te servir comece a noite jantando no ótimo restaurante Olina e termine tomando o seu vinho na varanda do hotel apreciando a vista da Isola de San Giulio iluminada. No dia seguinte de volta ao Lago Maggiore suba em direção à fronteira Suiça. No caminho pare para almoçar no excelente restaurante do Hotel do Lago na entrada da cidade de Cannobio, que também vale uma visita nem que seja apenas para tomar um sorvete italiano.

Atravessando a fronteira a próxima parada é Lugano. Aqui os preços são mais altos, mas vale conhecer o centro histórico da cidade e em um dia de sol a bela orla e montanhas que rodeiam o Lago Lugano. Para quem curte esporte correr de manhã na beira do lago ou alugar um veleiro vale a estadia. A cidade fica a poucos quilômetros do lago mais sofisticado da Itália – o Lago di Como. Aqui o destaque é o vilarejo de Bellagio e a estreita estrada que beirando o lago percorre outros tantos belos vilarejos com os Alpes como pano de fundo. 
Se você conseguir deixar o Lago di Como para trás siga viagem rumo a Verona, a próxima parada é o Lago di Garda. Aqui o grande atrativo é o belo vilarejo de Sirmeone. Fique no hotel Gatullo que por 110 Euros nos ofereceu um quarto confortável com uma bela varanda com vista para a praça acompanhando de um atendimento mais que simpático. O hotel fica dentro da cidade medieval em uma península cercada de água por todos os lados e com um belo castelo do século XIII.
Sirmeone é também uma ótima base para conhecer Verona que está a apenas 40 km. Vale passar duas noites na vila e conhecer Verona durante um dia sem ter que dormir na cidade. Acordar com os sinos da igreja e curtir a cidade medieval vazia a noite é sem preço. Além disso, a vila tem ótimos restaurantes. Vale investir alguns Euros a mais em um jantar no La Rucula que nos proporcionou a melhor refeição da viagem. O Trattoria Speranzina também vale pelos frutos do mar e o terraço com vista para o lago. 

Aproveite para explorar as ruas estreitas do vilarejo e suas ruínas romanas antes das onze da manhã. Nesse horário chegam os ônibus de excursão lotados de velhinhos e crianças que abarrotam as ruas da cidade. Nessa hora a média de idade da vila sobe para 70 anos considerando as crianças. Portanto vale fechar a matéria reforçando a primeira frase que escrevi: Só faça esse roteiro se estiver muito bem acompanhado. A chance de se dar bem por lá é menor do que a de pescar um Pirarucu em um dos lagos. 

Texto: Fernando Russo
Fotos: Fernando Russo

Acompanhe a MENSCH também pelo Twitter:@RevMensch
E baixe no iPad as edições, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

_________________________________________________________________________________________________________
Um Oasis no meio do deserto, Las Vegas já impressiona quem chega ao aeroporto. Depois de sobrevoar o deserto por horas surgem na janela do avião os extravagantes e bizarros prédios dos principais hotéis da cidade. De longe se avista uma pirâmide do Egito, a Torre Eiffel, o Skyline de Nova York e um castelo medieval lado a lado no famoso Las Vegas Strip.

Apesar de hoje ser uma cidade grande, Vegas ainda se resume para a maioria dos visitantes ao Las Vegas Strip: uma avenida com cerca de dois quilômetros onde se concentram os principais hotéis cassinos da cidade. Nem pense em ir a Vegas e não se hospedar em um deles! O barato da cidade é que hospedar-se em um desses hotéis e não custa caro.  Mais preocupados em lucrar com seus cassinos os grandes hotéis oferecem quartos luxuosos a preços bem modestos. A diária costuma variar entre USD 400 no maravilhoso Wynn, até USD 60 no esquisito Excalibur, que apesar de brega tem quartos confortáveis e uma bela piscina, além de proporcionar a experiência bizarra de hospedar-se em um castelo de conto de fadas com dragões, magos e Cavaleiros Medievais circulando pelos corredores.

Nessa viagem eu me hospedei no Venetian. Por USD 206 ganhei um quarto maior que o meu apartamento em São Paulo no trigésimo terceiro andar do prédio com vista para o deserto e o famoso Las Vegas Strip. Da recepção ao quarto foram quase 40 minutos caminhando por máquinas de caça níqueis, mesas de Poker, galerias enormes de shopping com canais e gôndolas que imitam Veneza. O exagero e a ostentação são marcas registradas de Las Vegas. Dentro desses hotéis gigantescos uma fauna de pessoas de todos os estilos e idades, caminha pelos cassinos, bares, lojas e boates gastando dinheiro, a maioria leva na mão uma Marguerita gigante ou um latão de cerveja, cena rara em outras cidades dos EUA.
Para entrar no espírito de Vegas a melhor pedida é abandonar o conceito normal de turismo e aproveitar o que a cidade tem de melhor: experiências inusitadas, ótimos restaurantes, excelentes shows, piscinas bem frequentadas, e uma vida noturna incrível. Portanto deixe pra lá o show das águas do Bellagio, a visita a Torre Eifel do Hotel Paris ou passeio de gôndola do Venetian, e comece com uma cerveja gelada na piscina do seu hotel. Cansado do sol do deserto a beira da piscina a grande pedida é fazer um passeio de helicóptero para o Grand Canyon. A Mavericks faz vôos diários regulares de hora em hora em aeronaves para até seis passageiros. A viagem até o Canyon dura 45 minutos e chegando lá o helicóptero pousa na beira do abismo onde você ficará por 30 minutos admirando a beleza incrível de um dos poucos lugares feitos pela natureza da região.



Se a sua paixão é carros saiba que em Vegas você pode alugar uma Ferrari ou fazer um curso de pilotagem de Nazca no autódromo da cidade. Aproveite também para consultar o concierge do seu hotel sobre os shows que estão em cartaz. O show “Ka” do Cirque du Soleil foi um dos mais impressionantes que eu já vi. Dizem que o “Ó” é ainda melhor. Outra dica importante é escolher bem onde você irá jantar. Vegas tem restaurantes excelentes para todos os bolsos. Quem tem de sobra para gastar pode ir ao Picasso que tem uma coleção de mais de 30 obras autenticas do pintor, os mais modestos podem curtir a variedade do buffet do Bellagio por pouco mais de USD 40 com tudo incluído, já os mais ecléticos podem provar os fantásticos pratos asiáticos do Jasmin. Opções não faltam e não há desculpas para uma refeição no McDonald’s além de ausência total de paladar.

Depois das dez da noite prepare-se para o melhor de Vegas. Capriche no visual e encare algumas das melhores casas noturnas do mundo. Nessa empreitada ajuda estar em um bom hotel. Hospedes tem preferência na fila e no acesso às casas noturnas. No Venetian tive o privilegio de conhecer a Lavo uma das mais badaladas do momento. No mesmo complexo fica a TAO que agrada o público na casa dos 20. Se quiser partir para outros hotéis peça ao seu concierge para colocar o seu nome na lista e tente chegar antes da meia noite.
O novo hotel Cosmopolitan tem excelentes opções. Não importa aonde você vá vale terminar a noite no mais tradicional after Hour de Vegas – o Drais. Localizado no complexo do antigo Hotel Flamingo o Drais abre as portas às 2 da manhã e só começa a lotar às 4 da manhã. Entrar aqui é sempre missão difícil. A fila é uma aglomeração de pessoas tentando chamar a atenção dos seguranças. Se estiver em um grupo de quatro ou mais pessoas vale comprar uma mesa. Se esse não for o caso prepare-se para oferecer uma contribuição pessoal ao segurança. A pedida em Vegas é curtir a noite como se não houvesse amanhã.

Texto: Fernando Russo
Fotos: Divulgação, Fernando Russo, Júlia Fraga

SERVIÇO:Maverick - 6075 Las Vegas Blvd S
Las Vegas, NV 89119, EUA
(702) 261-0007

Venetian Hotel - 3355 S Las Vegas Blvd
Las Vegas, NV 89109, USA
877-859-5095

Lavo - 3325 Las Vegas Blvd S # 1760
Las Vegas, NV 89109-1414, EUA
(702) 791-1800

Drais Afther Hour -
3595 Las Vegas Blvd South
Las Vegas, NV 89109-8918, EUA 
(702) 737-0555
www.draishollywood.com



“Inicialmente tenho que informar que não sou muito chegada em fotografia, mas se tinha um lugar no mundo onde eu queria tirar uma foto, este lugar era o Grand Canyon. Tenho um amigo (ateu) que certa feita me disse que lá foi o lugar onde ele mais sentiu a presença de Deus. Lógico que fiquei curiosa, mas demorei muito a ir. Mais ainda para escrever esse texto.

Fui em novembro último, passei quase uma semana em Vegas (uma grata surpresa para mim, que não gosto de jogo, mas esta é outra historia). E lá ou eu andava de helicóptero ou meu filho nascia com hélice. Ainda no embarque em Recife, encontrei um primo que me aconselhou não ter muito apego ao dinheiro e fazer o passeio de helicóptero para o Grand Canyon.  Não vou negar, é caro! Mas vale cada cent!

A paisagem é deslumbrante, tudo é imenso e você realmente sente a presença de Deus por lá. Vendo de cima, como vi, você tem a exata dimensão do quanto é pequeno. O rio Colorado atravessa todo Grand Canyon e sua bacia hidrográfica é uma das mais bem aproveitadas do mundo. No tour aéreo sobrevoamos a Barragem de Hoover, perto de Las Vegas, considerada a maior dos EUA, que é usada para navegação e lazer, bem como controla o regime do rio e seus numerosos canais de irrigação e diques.

Quando o vôo termina vem a melhor parte, o Skywalk, uma passarela de vidro sobre o precipício que lhe dá a sensação de flutuar no abismo. Olhar para baixo não é muito recomendável. Descortina-se diante de você um mundo de pedras enormes, entrecortado por um dos mais longos rios do mundo, mas que, visto dali, parece um riacho.

Meu companheiro de viagem achou o tempo em terra curto. Eu não, mas eu num gosto de fotos lembram-se? Verdade seja dita, de carro, de helicóptero, de qualquer meio de transporte, o Grand Canyon é um passeio imperdível! Ah, já ia esquecendo: é claro que enjoei no vôo, mas isso também faz parte.”


_______________________________________________________________________________________________________________

Todo viajante costuma dizer que visita os lugares, quando cheguei a Roma tive a sensação de Roma me visitar. A cidade exala história, por isso é conhecida internacionalmente como Cidade Eterna. Roma é uma viagem no tempo com suas ruínas e construções antigas, é como se entrássemos nos livros que lemos nos tempos da escola. É um túnel que nos leva para uma viagem ao passado, mas sem esquecer as marcas do presente e os planos pro futuro.

A vida pulsa de forma gritante em Roma. Gritante mesmo! Os romanos falam muito e falam rápido e falam alto, mas não pense que isso irrita, isso alegra... eles têm um jeito único e, aos olhos de fora, caótico de se relacionar. E esse talvez seja o grande charme romano. A primeira palavra que vem a cabeça ao desembarcar em Roma é linda. Linda porque a cidade é linda, linda porque as pessoas são lindas, linda porque tudo lá é mesmo lindo. E aí chega um momento que você pergunta: "caramba, tem nada feio aqui não?”  Não, não tem, até porque como diz o ditado, "Em Roma como os romanos", então, uma vez Roma, fica-se lindo como tudo por lá.  Então pra começar a lista de coisas lindas que você, caro leitor MENSCH, tem de ver com seus próprios olhos vamos falar dos monumentos.

O Coliseu
Também conhecido como Anfiteatro Flaviano foi palco de diversos espetáculos, incluindo os famosos combates entre os gladiadores e lutas com animais trazidos principalmente da África. Apesar de ter sido palco de muito derramamento de sangue, o Coliseu é algo esplendoroso, grandioso, um colosso de fato. Tocar suas paredes é como tocar na Roma Antiga, é ouvir os gritos dos gladiadores, a multidão clamando por lutas, conhecer as dores dos escravos e é, sobretudo, reconhecer a espetacular capacidade humana de construção já naquele tempo, tão longe da tecnologia de agora. Uma dica: vá de metrô e paro por aqui para não estragar a surpresa que lhe aguarda.

Onde fica: Localização: Piazza del Colosseo
Como chegar: Linha de Ônibus: 11, 27, 81, 85 e 87 Estação do Metrô: Estação Coliseu. Linha de Bonde: 13 e 30b
Ingressos: podem ser comprados por antecedência em hotéis ou sites de turismo de Roma, existe a possibilidade de contratar guias no local e ainda de alugar fones que vão contando toda a história do Coliseu à medida que se caminha por ele.

Fórum Romano
Logo de frente ao Coliseu está o Fórum Romano. Mais história, mais ruínas que nos convidam ao exercício da imaginação para tentar reconstruir o que o tempo e terremotos desgastaram. O Fórum Romano foi um importante centro comercial da Roma Imperial, abriga diversos templos e é de uma riqueza arquitetônica impressionante. Para a visita recomendo muita energia e disposição, o lugar é gigantesco e não se deve perder nenhum detalhe sequer.

Onde fica: acesso pelo Largo Romolo e Remo, na Via dei Fori Imperiali
Como chegar: Linha de Ônibus: 11, 27, 81, 85, 87 e 186
Estação do Metrô: Estação Colosseo
Horário: 2ª e de 4ª à Sábado, das 9h às duas horas antes do pôr-do-sol; 3ª e Domingos, das 9h às 14hs

Pantheon
O Pantheon é um lugar de adoração. Único edifício da época Greco-romana, foi construído em 27 a.C como templo para adoração de todos os deuses do panteão romano. Em 609 se tornou Igreja Cristã, após ter sido oferecido ao Papa Bonifácio IV em 6008 pelo então imperador bizantino Focas. Ter se tornado uma Igreja salvou o Pantheon de ser destruído pelo vandalismo que assolou as construções antigas de Roma no período medieval. Sorte a nossa! O Pantheon é uma obra impressionante e sua cúpula vale a fama que tem. Além de um lugar de admiração é também uma oportunidade para os mais religiosos fazerem orações e meditarem, mas aí será preciso muita concentração porque o lugar vive cheio de turistas.

Onde fica: Piazza della Rotonda
Como chegar: Linha de Ônibus: 119 (para a Piazza della Rotonda); 64, 70 e 75 (para a via del Corso, mais 15 minutos à pé)
Horário: de 2ª à Sábado, das 9h às 18h30; Domingos e feriados, das 9h às 13hs

Fontana de Trevi
Para chegar até aqui você terá passado por ruas estreitas, cortiços com roupas penduradas na janela com um charme todo italiano e terá desviado de algumas vespas e muitos outros viajantes como você, claro. É imperdoável não levar uma moeda para o ritual clássico da Fontana di Trevi: virar-se de costas, fazer um pedido e jogar a moeda na fonte, portanto certifique-se de ter uma com você. A fonte é hipnotizante, a riqueza de detalhes, a água azul e límpida escorrendo, as moedas representando tantos desejos de tantas pessoas ao fundo e até mesmo o som dos flashes das câmeras fotográficas tornam o lugar perfeito para uma pausa de alguns minutos para apreciar essa linda obra construída pelos homens mas que parece ter sido gerada pelos deuses.

Onde fica: Piazza di Trevi
Como chegar: Linha de Ônibus: 52, 53, 58, 60, 61, 62, 71, 95 e 492

Basílica de São Pedro
Agora você está em outro País, o Vaticano. Roma respira o catolicismo e a presença do Vaticano faz da cidade um lugar também de peregrinação. Católico ou não, religioso ou não, o Vaticano e todos os seus museus merecem uma visita de contemplação. Para os amantes das artes é um prato cheio, lembre-se que é na Basílica de São Pedro que está a Pietá, a obra das obras, e se a perfeição artística existe ela, é a Pietá. É na Basílica que estão os restos mortais de Pedro (daí o nome), o apóstolo que mesmo tendo negado Cristo por 3 vezes antes do galo cantar, segundo os relatos bíblicos, foi escolhido para fundar a Igreja Católica. O lugar é grandioso, imponente e de muita riqueza, mas ainda assim, é um lugar de oração e considerado sagrado. Para os que seguem, simpatizam ou simplesmente foram criados com o catolicismo, é um momento de muita emoção.

Onde fica: Piazza San Pietro
Como chegar: Linha de Ônibus: 23, 32, 49, 64, 81, 492 e 991
Estação do Metrô: Estação Ottaviano
Linha de Bonde: 19
Horário: diariamente, das 7h às 19hs (de outubro à março, das 9h às 17hs)

Museus do Vaticano
Aqui está a Capela Sistina, por favor, ávido leitor, certifique-se dos horários e dias de visita para não ficar na frustração de chegar até o portão e não poder se deleitar e deslumbrar desta grande obra. Sim, como você já dever ter percebido isto aconteceu comigo. A parte boa é que serei “obrigada” a voltar!

Onde fica: Città del Vaticano, entrada no viale Vaticano
Como chegar: Linha de Ônibus: 23, 64, 81 e 492
Estação do Metrô: Estação Ottaviano
Linha de Bonde: 19
Horário: de 2ª à Sábado e último Domingo do Mês, das 8h45 às 13h45 (de 17 de março à 14 de junho e de 1º de setembro à 31 de outubro, das 8h45 às 16h45, de 2ª à 6ª feira; e das 8h45 às 13h45, aos sábados)


Claro que há muito mais para se ver em Roma, mas daí você vi precisar de mais do que os 03 dias que eu passei por lá. E em se tratando da Itália, obviamente todas essas idas aos monumentos foram intercaladas com muita massa (se você está sentindo falta do vinho, explico: eu não bebo, mas meus companheiros de viagem se deliciaram com os bons vinhos italianos e recomendam!). Comer na Itália é realmente divino. Os molhos de tomate suculentos, as entradas, os pennes, espaguetis, pizzas e tudo em cantinas cheias de charme com toalhas quadriculadas vermelhas do jeitinho que a gente vê em filmes e novelas...ai, deixa parar por aqui que já está me dando água na boca! E aposto que em você também e detalhe, coma sem moderação, você vai caminhar muito pelas ruas de Roma e a energia dos carboidratos será essencial. E pra finalizar, vale lembrar que Roma também é a cidade do romantismo, por isso, se quer um lugar bacana pra ir a dois, vá a Roma! Ariverderti!

Texto: Nadezhda Bezerra
Fotos: Namour Filho, Divulgação
Sites de fotos: http://namourphoto.com

___________________________________________________________________________________________________________

Não precisa dizer que uma viagem aos Emirados Árabes Unidos envolve muito luxo, melhor ainda, quando for atrelada a toda esta ostentação muita velocidade.  Então, além de conhecer umas das culturas mais interessantes do planeta, em Abu Dhabi, tem-se a oportunidade de visitar o maior parque indoor já construído, o Ferrari World Theme Park, surgido de uma parceria dos bilionários excêntricos do oriente e a Ferrari.

 O empreendimento foi inaugurado no ano passado e fica localizado na ilha Yas, entre as cidades de Abu Dhabi e Dubai,  podendo-se dizer que o  local é uma verdadeira “Disneylândia” para os apaixonados por carros e é claro pela Ferrari, sem falar que o local abriga ainda, o GP de Formula 1 de Abu Dhabi.

Ao entrar no parque, prepare-se, pois no local respira-se velocidade, a começar pela visita à fábrica da Ferrari histórica, possibilitando acompanhar exatamente como uma Ferrari é concebida (desde os projetos gráficos até a pintura e acabamentos a mão), como se você estivesse em Maranello, um privilégio que antes só pertencia aos proprietários de carros Ferrari.

O complexo entrou inovando no calendário mundial da Fórmula 1, este novo circuito conta com grandes surpresas, como o desenho  futurista da pista e o horário da corrida, pois diferentemente de todas, ela começa no final da tarde e termina durante a noite.  A pista possui duas grandes retas que possibilitam os carros superarem 310 km/h e inúmeras curvas de 90° que exigem grande atenção dos pilotos.  Além disso, no dia da corrida, quem estiver hospedado no parque, tem acesso exclusivo a todos os bastidores do Grande Prêmio, como se você fizesse parte da equipe Ferrari, acompanhando a agitação do pit stop e escutando de perto os ruídos dos motores.


E para aqueles que se sentem criança perto de uma corrida, lá ainda é possível, no espaço Fiorano GT Challenge,  fazer uma simulação de corrida entre duas Ferrari F-430 Spider, durante um inusitado percurso, em alta velocidade. Também é proporcionado imaginar-se em um Paddock, simulando a troca de pneus durante um pit-stop. Já na Scuderia Challenge, você poderá realizar seu sonho de desafiar um piloto profissional ao volante, com uma disputa simulada com uma parafernália de equipamentos, como os usados por Fernando Alonso e Felpe Massa nem seus treinamentos.
Há também o cinema Maranello, que conta com a tela mais moderna do mundo, alias, é uma característica desses Árabes, tudo que eles fazem é pensando em ser o maior ou o melhor. Nas telas, em formato 4k, é contada a historia de Enzo Ferrari, que possuía o sonho de ser o mais rápido, muito antes de existir formula 1 ou mesmo a Ferrari, assim, o filme nos remete a 1920 para experimentar a força bruta dos motores e o glamour da velha estrada italiana em Coppa di Sicilia.

Confira também toda a arte e historia da Ferrari no museu mais completo do mundo. É um mergulho na trajetória da marca na Galleria Ferrari, com todos que fizeram parte da marca. Com toda certeza é um diálogo audiovisual entre o design moderno, tecnologia e história, ainda, é uma chance de entender uma história de amor que começou com Enzo Ferrari e perdura até hoje.

São muitas as opções para ver e experimentar, alem disso, é possível assistir como funciona a preparação antes de cada corrida, espetáculos de patinação no gelo (no meio do deserto), parque de diversão com direito a montanha russa mais veloz do planeta, que chega a 240 km/h simulando uma pista de corrida, sem falar de uma viagem em 3d por dentro do motor da Ferrari, em fim, tem opções para todos os gostos, além de um mundo destinado só para as crianças.

(VEJA AQUI + UM VÍDEO DA FORMULA ROSSA (MONTANHA RUSSA) COM ALONSO E MASSA. )




É incrível, como poderia existir tanto entretenimento ligado a quatro rodas, talvez passássemos horas tentando enumerar todas as atrações deste parque, mas para finalizar, não precisa nem comentar que existe um shopping destinado a vender todos os produtos com a marca Ferrari hein? Realmente tamanha grandiosidade, só poderia vir de um povo que consegue transformar areia em palácios.
Por falar em palácios, ao chegar em Abuh Dabhi, além do pit stop no Ferrari World Theme Park, não poderíamos deixar de indicar a hospedagem no Emirates Palace Hotel, que possui um cenário Hollywoodiano, todo folheado a ouro; uma passada no Caviar Bar, perfeito para experimentar as ovas iranianas; uma pausa na Grande Mesquita Sheikh Zayed Bin Sultan Nahyan, que é uma das maiores templos do mundo, destinado ao público que não seja muçulmano apenas pela manhã; além de uma ida a Avenida Comish, uma região com parques e fontes considerada o centro de Abu Dhabi.

Agora fica a dúvida se para conhecer a Ferrari é melhor ir até a Itália ou até Abu Dhabi. Na minha opinião, optaria pelo Ferrari World Theme Park, pois como diria o mestre Álvaro Garnero: "esta sim é a minha Dubai!" Compre já a sua passagem para os Emirados na velocidade da luz.

MAIS ATRAÇÕES DO FERRARI WORLD:

- Speed of Magic – uma aventura em 4D pelas fantasias de um jovem garoto por paisagens onde uma Ferrari jamais esteve.

- V12 – um passeio pelo interior de um motor V12.
- G-Force – uma verdadeira catapulta, que eleva os passageiros acima do teto do pavilhão, para demonstrar a força G à qual os pilotos da Scuderia são submetidos. Os bancos são semelhantes aos de uma Ferrari Enzo.

- Fiorano GT Challenge – uma montanha-russa na qual os carros são réplicas da Ferrari F430 Spider.

- Bell’Italia – um passeio por um cenário em miniatura dos mais belos locais da Itália, tais como: Portofino, a Costa Amalfitana, a pista de Monza, o Coliseu, a linda Veneza e Maranello, a casa da Ferrari.

- Paddock – uma viagem pelos bastidores de um GP de F-1 nas dependências da Ferrari, incluindo áreas como: o motorhome, os boxes, e o Hospitality Center.

- Junior GT – uma escola de pilotagem para crianças em modelos F430 Spider.

- Junior Grand Prix – após o curso Junior GT, as crianças podem participar de uma corrida com carros de F-1.

- The Racing Legends – um passeio pelos melhores momentos da Ferrari nas pistas e competições.

O Ferrari World conta com 4 tipos de passaportes:
General Admission – acesso ilimitado a todas as atrações para pessoas acima de 1,5 m de altura.
General Admission Junior – acesso ilimitado a todas as atrações para pessoas abaixo de 1,5 m de altura.
Premium Admission – acesso ilimitado a todas as atrações para pessoas acima de 1,5 m de altura + acesso ao VIP Lounge
Premium Admission Junior - acesso ilimitado a todas as atrações para pessoas abaixo de 1,5 m de altura + acesso ao VIP Lounge

Preços:
- General Admission: US$ 61
- General Admission Junior: US$ 45
- Premium Admission: US$ 102
- Premium Admission Junior: US$ 74

Vídeo de divulgação: http://www.youtube.com/watch?v=x6lpDyYycoE

Para mais detalhes sobre o Ferrari World, visite o site: www.ferrariworldabudhabi.com

Texto: André Lima
Fotos: Divulgação

_______________________________________________________________________________________________________


Na minha opinião toda criança nasce com um sonho de ser astronauta, conhecer de perto as estrelas, os planetas, andar pela lua e ainda ser reconhecido como herói. E você também irá concordar que essa vontade só aumenta; pois somos bombardeados com filmes e desenhos animados para bulir com nosso imaginário.

Se você não se contenta em só ficar vendo “Star Wars”, existe uma maneira bem mais concreta de se imaginar no espaço. Porém primeiro é necessário você fazer uma viagem, mas é de avião mesmo, para França. E pra quem pensa que na França só tem historia e tradição está muito enganado. Pois em Toulouse, no sul dos Pirineus, iremos encontrar um dos maiores centros mundiais da indústria espacial. Lá, em 1997, foi inaugurada a cidade-espaço, com o objetivo de fazer com que as pessoas sintam as mesmas experiências de um astronauta no meio do espaço.

A cidade de Toulose é uma cidade Medieval, também chamada de “cidade rosa”, pela cor que se obtém com o reflexo do tijolo aparente de quase todas as construções nos rios, que convive com essa carga de tecnologia. Vale a pena conhecer um pouco do seu histórico, pois existe arte por toda parte, sendo reduto de grandes pintores e artistas. Então ao começar o passeio pelos prédios históricos, inicie pela Praça Place du Capitole, que é o centro das principais ruas e avenidas de Toulouse.

Como o destino é focado na astrologia, siga para o parque temático da Cité de l'Espace, que é um lugar não apenas para se divertir, mas também para aprender e experimentar. Possui também um planetário, um centro de meteorologia, um museu com objetos espaciais, jogos e muito mais.

Uma das maiores atrações da cidade espacial é a Ariane 5, mas calma, não é nenhuma hostess gostosa; é o foguete mais moderno da Europa, chegando a medir 55 metros, que por sinal foi pela primeira vez ao espaço em 1970, e já chegou a passar 14 meses longe da terra.

Você também poderá realizar alguns treinamentos que só são feitos pelos astronautas. Outra grande atração do local, é um protótipo idêntico da estação espacial russa, MIR, que é um local onde vários astronautas passam por treinamentos, antes de encarar uma estação espacial de verdade. Funciona como o único lugar do mundo onde os visitantes podem realmente entrar em uma estação espacial. Mostra como é seu cotidiano, como os astronautas se movimentam, onde dormem (em pé por sinal, porem admirando as estrelas) e até como funciona a ida ao banheiro.

Sem dúvida, o mais interessante, é ter a sensação de como seria andar na lua, com a reprodução de um cenário lunar onde a força da gravidade é muito menor que na Terra, logo, através de um aparelho, seus passos começam a ficam em câmera lenta, você perde a sensação do peso do corpo e começa a flutuar, pois a gravidade deixa tudo 6 vezes mais leve.

Também muito interessante, é o Terradome, que é uma construção em forma de meia esfera que apresenta a história do espaço, quando ocorreu o Big-bang, e também do sistema solar. Inclui um novo planetário de 280 lugares, equipado com uma tela hemisférica de 600 m ², um cinema IMAX apresentando a estação espacial em 3D, com um filmes feito a bordo da estação espacial internacional.
O Cité de l'Espace também está equipado com inúmeras exposições, muitas vezes interativas, como por exemplo, com uma sala de controle próxima a do modelo do Ariane 5, que torna possível preparar o lançamento de um foguete, ajudar com seu vôo e, em seguida, colocar um satélite em órbita. Vale a pena conhecer a cidade, principalmente pelas experiências da cidade-espaço, por lá já passaram mais de quatro milhões de visitantes.


Enquanto isso, visite o site oficial: www.cite-espace.com

Texto: André Lima
Fotos: Divulgação
Fonte:
www.abelard.org/france/cite_espace.php
http://br.franceguide.com/viagem-tematica/turismo-na-cidade/descubra-as-cidades/toulouse/home.html?NodeID=241


__________________________________________________________________________________________________________


Na fronteira com o México San Diego reúne o melhor da cultura de praia Californiana com alternativas de cidade grande. Procure um hotel no distrito de Gas Lamp onde prédios históricos reúnem os melhores restaurantes, bares e casas noturnas da cidade. Com clima quase desértico e temperatura amigável o centro tem vários bares com mesas ao ar livre na rua central ou 5th Ave.  Se possível alugue um carro e explore as praias da região.

Comece por Embarcadero onde um porta-aviões usado na Segunda Guerra Mundial é hoje um museu e uma das principais atrações da cidade. Seguindo pela costa rumo ao norte os bairros de Mission Bay e Ocean Beach estão lotados de estudantes que vivem a dura rotina de aula de manhã e surfe á tarde. Vale conferir os bares de Ocean Beach nas tardes de Sábado. Apesar do agito é mais ao norte que estão as mais belas paisagens da região. Não deixe de visitar La Jolla sede do maior campus da Universidade de San Diego.



Além do bairro elegante cheio de mansões e lojas de grife a orla tem pontos maravilhosos com covas e rochas lotadas de leões marinhos e focas. O local é também o ponto ideal para quem gosta de frutos do mar. Em um combinado de peixaria e restaurante o El Pescador da Pearl Street vende frutos do mar frescos para comer no local ou levar para casa. Foi lá que provei o maravilhoso sanduiche de camarões gigantes com salada e abacate.

Se você estiver bem acompanhado vale investir em um jantar no Crab Cracker no centro de La Jolla de frente para o mar. Além da vista a casa é especializada em caranguejo e comer um daqueles gigantes do Alasca acompanhado de um bom vinho californiano vendo o por do sol pode ser um dos pontos altos da sua viagem. Continuando de carro pela costa rumo ao norte visite a reserva a beira mar de Torrey Park . As vistas dessa região mais selvagem são incríveis e o local é ideal para uma caminhada. Apesar das belezas da costa de San Diego e do agito de Gas Lamp o ponto alto da minha viagem foi a experiência de cruzar a fronteira com o México.


PASSANDO DA FRONTEIRA...TIJUANA
Depois de uma semana de trabalho em San Diego tive a felicidade de encontrar um velho amigo Sérvio com quem já dividi várias aventuras de viagem da China a América do Sul. A fronteira Mexicana fica a apenas 25 milhas do centro de San Diego e a travessia para o lado de lá é feita rapidamente em carro sem qualquer fiscalização.

Brasileiro com visto americano tem livre acesso. Só não deixe de levar o seu passaporte de quiser voltar aos EUA depois do passeio. Vale levar também algum comprovante de hospedagem em San Diego para reduzir o interrogatório na volta. Atravessamos e fomos direto para a praia de Tijuana. O choque cultural de atravessar a fronteira é enorme.  No lado Americano belos shoppings em avenidas largas bem cuidadas, do lado Mexicano a poucos metros do muro o caos urbano de Tijuana com suas ruas sujas e esburacadas mostra claramente que estamos em outro país.

Na praia de Tijuana sentamos em um boteco a beira mar e tomamos uma cerveja gelada com nachos. No bar um juke box velho tocando musica folclórica Mexicana e uns poucos americanos alternativos que ainda se aventuram a cruzar a fronteira. Com o pânico da escalada da violência e do trafico de drogas muitos americanos deixaram de cruzar a fronteira. Seguimos rumo ao sul até a cidade de Ensenada onde meu amigo me levou para comer os melhores Ceviches da região nas primeiras praias de Baja California. Em Ensenada sentamos em uma cantina Mexicana de 1860 e provamos um Clamato – coquetel estranho a base de cerveja, suco de tomate, caldo de mariscos e muita pimenta.

Na cantina bons “Mariachis” tocavam para delírio dos locais que dançavam sobre as mesas. Fechamos a experiência Mexicana com um passeio noturno palas ruas decadentes de Tijuana. O centro é lotado de prostitutas, traficantes e figuras que parecem ter saído de um filme do Tarantino. Apesar do ambiente as ruas são bem policiadas e o passeio já vale pelos fantásticos Tacos de Carne vendidos a um Dolar nas esquinas empoeiradas. Terminada a visita antropológica chegava a hora de cruzar novamente a fronteira. A fila comum para carros mesmo às onze horas da noite era de quase duas horas. Meu amigo com um passe de residente de San Diego podia passar pela pista expressa e eu saltei a poucos metros da fronteira e atravessei a pé sem grandes problemas, de volta a tranquilidade da bela San Diego.

[ MAIS San Diego: Conhecida como terra do sol e do surfe, a atmosfera praiana toma conta do lugar. A cidade – a maior da Califórnia e a oitava do país – já superou há décadas a reputação conservadora e vocação única como sede das grandes bases da marinha e da aeronáutica americanas. Hoje, vive de forma moderna e multicultural, sem perder seu charme histórico e origem espanhola. A fronteira com a mexicana Tijuana só fortalece as origens latinas. Fonte: CI]

Texto: Fernando Russo
Fotos: Fernando Russo, Divulgação

_______________________________________________________________________________________________


Uma das festas mais esperadas do ano no Brasil, sem dúvida é o Carnaval. A Folia de Momo toma conta de tudo, inclusive do tempo que as coisas devem acontecer. “Quem nunca ouviu a expressão” : Ah, as coisas só começam depois do carnaval”. Pois bem, é fantasia pra cá, programação pra lá, passagens, aluguel de casas, reunir os amigos, fazer pesquisas...o importante é não ficar parado! Seja com samba, frevo ou axé, o Carnaval é a festa da alegria, descontração e irreverência . A MENSCH deseja aos seus leitores um carnaval inesquecível por isso preparou uma matéria especial com dicas de onde e como brincar. Alá lá ô ô ô...

RECIFE E OLINDA FERVEM AO SOM DE VÁRIOS RITMOS.
Não dá pra falar de uma sem falar da outra. As cidades irmãs tem um dos carnavais mais democráticos e multiculturais do país, com programação para todas as idades e gostos, mas é claro que por aqui imperam o Frevo, o Maracatu e o Caboclinho. Recife foi dividida em Pólos Culturais, assim tem carnaval em todos os cantos da cidade, mas é no Recife Antigo que se reúnem mais foliões.
No Marco Zero, o chamado Pólo Multicultural, acontecem a abertura e o encerramento do Carnaval do Recife e é onde se apresentam os grandes artistas nacionais dos mais variados estilos musicais. No Pólo Mangue acontece o Festival Rec Beat ,  onde a galera do rock and roll curte o carnaval  de forma alternativa. Além de shows, tem desfile de moda e outras atrações.
Ainda no Recife Antigo, aos arredores da Praça do Arsenal, Ruas do Apolo e Bom Jesus, o folião pode apreciar a graciosidade dos carnavais de antigamente com os blocos líricos ou sentir o corpo tremes com os batuques dos Maracatus.
[ DICA - Projeto Lambe Lembe. A partir de 17 de março a mostra ganha novidades: serão expostas as lonas do estúdio e projetado um vídeo com quatro mil fotos. Local: Centro Cultural Correios Recife. Av. Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife. Fone: 3224-5739 ]

A folia no Recife Antigo começa cedo e vai até a madrugada e tem atrações Também pra criançada. E pra começar a brincadeira tem ainda o Galo da Madrugada, considerado o maior bloco de arrastão do mundo. Se você não tem medo de multidão, encare com vontade, se tem, procure os camarotes ou arquibancadas e venha com o pessoal!
Quanto a estacionamento, bem... aí você fica mesmo na mão dos flanelinhas ou dos estacionamentos pagos, os preços variam de R$ 5,00 a R$ 15,00. Já em Olinda a folia pega fogo mesmo durante o dia. É acordar cedo, subir o Alto da Sé, comer uma tapioca reforçada e descer a ladeira correndo atrás das troças!
A tarde uma macaxeira na Noca pra recarregar as energias e continuar o sobe e desce ao som das orquestras. O dia de sábado costuma ser o de “menor“ movimento pois compete com o Galo da Madrugada que acontece no centro de Recife. Em Olinda reina a criatividade e a irreverência, então nada de ir de “cara lavada”, vista uma fantasia, de preferência de tecidos leves para você não derreter, pinte o rosto, vale tudo pra entrar no clima da festa.
Uma boa pedida são as concentrações dos blocos, as mais concorridas: "Enquanto Isso na Sala da Justiça" e "Acho é Pouco". As espumas foram proibidas, mas as pistolinhas d´água ainda dão banho em muita gente, por isso, nada de esquentar, revide com um sorriso e muito frevo de pé! Quanto à paquera, aí rola solta! Colombinas encontram Pierrots, Tarzans as suas Janes, e por aí vai... mas lembre-se: se o clima esquentar, use camisinha pra folia durar a vida inteira!
"SEXTA, abertura do carnaval de Recife no Recife Antigo. SÁBADO, Galo do Madrugada na Rua Imperial. DOMINGO de manhã no Alto da Sé em Olinda para concentração do Bloco Enquanto Isso na Sala de Justiça. SEGUNDA E TERÇA no Recife Antigo." Vanessa Tavares, Administradora, 25 anos 
Para a programação completa clique aqui

Texto: Nadezhda Bezerra
Fonte:
www.programacaocarnavalrecife.com.br/
Fotos: Divulgação


__________________________________________________________________________________________________________


Se você procura um Carnaval diferente, a capital de Santa Catarina, Floripa é o destino certo para os adeptos do estilo carpe dien, ainda que seja uma ilha, lá ninguém se sente ilhado em seus 430 km2. Há praias que são paraísos do surfe, como a praia Mole e a Joaquina, um centro com jeitão de metrópole, uma lagoa com barzinhos legais (a Lagoa da Conceição), vilas bucólicas, opções de trilhas em mata preservada, além de mansões multimilionárias e festas regadas a muito champagne, ou seja, se tem a opção do agito de Jurerê Internacional ou a privacidade das enseadas no litoral sul, aonde é possível caminhar sem encontrar uma alma viva.

As histórias sobre Floripa sempre giram em torno do verão; de dezembro até o carnaval a ilha alucina, as praias e as baladas lotam de gente bonita. Lembrando também, que neste período em Florianópolis os preços duplicam, também, se você pegar uma chuvinha, não se sinta um azarado, pois ali chove todos os meses (o período menos úmido vai de abril a agosto). Por isso, mesmo no verão, ponha um agasalho na mala, e aproveite para curtir nas baladas noturnas ainda que o tempo esteja fechado.

Uma dica de passeio diurno é ir à Lagoa da Conceição, que é cercada por morros, restaurantes japoneses e "kitesurfistas". O local é basicamente onde as coisas acontecem em Floripa, principalmente no trecho das avenidas Afonso Delambert Neto e Rendeira. Chegando lá, indico ficar nos Lounges como o Confraria das Artes, ou se preferir, em restaurantes mais tradicionais como o Starck, que se misturam muito bem com lugares como o John Bull Pub, onde há sempre bandas de rock e blues.
Meia hora é o tempo máximo que você leva para sair do Centro de Floripa e chegar a uma praia totalmente deserta, ao sul, ou nas movimentadas como; Canasvieiras, Ingleses, Brava, Jurerê Internacional, entre outras. 
PRAIAS
CANASVIEIRAS
A Canasvieiras possui uma faixa de areia estreita e as águas mais quentes da ilha, uma curiosidade é que entre dezembro e abril, é dominada por argentinos e uruguaios. Há tanto movimento na praia, que há pouco espaço para tomar sol, quanto ao asfalto, é repleto de hotéis, flats, restaurantes e lojas.
INGLESES
A Ingleses se caracteriza como uma praia mais familiar, super-urbanizada, com muitos hotéis, pousadas e boa estrutura de comércio. O costão esquerdo recebe os surfistas iniciantes; o direito, praticantes de sandboard. 
BRAVA
Já na Brava, uma das mais badalada da ilha, com certeza é o point da juventude no verão, aonde o clima é descontraído no kioske do Pirata. Na temporada duas garantias: presença de gente bonita e muito engarrafamento. 
JURERE INTERNACIONAL
Por último e não menos importante temos a praia de Jurerê Internacional, uma das melhores no norte da ilha em minha opinião. Os bares-restaurantes e beach lounges P-12, El Divino Beach , Taikô e Café de La Musique, agitam todos os dias da ilha durante o verão. Ao escurecer, Jurerê não para, há também o Complexo de entretenimento MUSIC PARK: formado pela Pacha, Posh Club e Stage. A Pacha é considerada a maior referência mundial em casa noturna, recebe até 4mil pessoas, possui pista só de house, camarotes exclusivos e um terraço com todas as vertentes eletrônicas. A Posh está conectada ao que rola de melhor nas pick-ups, seja no Brasil ou no mundo. São noites à altura dos top clubs de Saint Tropez, Punta del Este, Miami e Costa Esmeralda. Já o Stage é uma área especial para shows no complexo Music Park. A música eletrônica é seu carro-chefe, e as diversas atrações são nacionais e internacionais. Não esqueça de se certificar no site www.musicpark.com.br as programações e se há a possibilidade de compra online.

Floripa – champagne, morango e chocolate





AGITO - HOUSE BEACH
Aviso para os homens com autoestima duvidosa; em todo recinto, como diz um amigo meu; não se intimidem com as loirinhas de bochecha rosada praticamente em todo o recinto, pois, como um amigo uma barba bem feita, underwear nova e começar a noite com um bom vinho, são os detalhes que podem fazer se ganhar uma corrida de cavalos por uma cabeça.
Segue a dica para quem não quer perder tempo: Comece seu dia em alguma das praias badaladas do Norte, na minha opinião, Jurerê Internacional, escolha entre os variados lounges com seus dayclubs mundialmente famosos, peça uma boa bebida e algum dos mais variados petiscos da ilha; espere entardecer  para começar uma festa regada de espumantes, mulheres bonitas e o melhor da música eletrônica. A noite vá ao centro e é só escolher uma balada, tenha confiança que no final da viagem, Floripa se tornará um roteiro frequente no seu circuito pelo Brasil.
Para saber um pouco do que estamos falando e também estender um pouco do nosso papo para Balneariu Camboriu, assista este vídeo gravado no House Beach, do ano passado. Garanto, que será muito difícil de imaginar uma próxima balada, sem pensar em ir para o sul do Brasil, aonde você poderá se apaixonar pelas famosas loiras de bochechas rosadas ou uma morena de tirar o fôlego (para ser mais preciso no minuto 07:25). Um brinde a terra do chimarrão e bom carnaval.



Para os interessados, o House Beach este ano acontecerá nos dias 1, 2 e 3 de abril. Informe-se pelo site.

ALGUMAS DICAS PARA O CARNAVAL

Dia 03/03 - A "Confraria" recebe o Dexterz, que é comandado pelo trio Julio Torres, Amon Lima e Junior Lima, que irão dar vida ao seu novo projeto, também no line up: The Beckers e Lipous.
Dia 04/03 - Na "Confraria", haverá participação de Dave Seaman, com os DJs Andre Pulse e Felipe Callado também se apresentam. A "Posh" receberá um dos maiores influenciadores da Dance Music, Axwell.
Dia 05/03 - No "Music Park", terá apresentação dos Djs Kaskade, Hands Up, Sandro Horta e Daniel Paz.
Dia 06/03 - Enquanto na "Confraria", terá Grant Nelson e Chris Willis (vocal de David Gueta), o "Music Park" recebe o número 1 do mundo Armin Van Buuren, ainda se apresentam Gleen Morrison, João Lee, VJ Daniel Paz.
Dia 07/03 - É a vez do Dj mais popular do mundo, David Gueta, que se apresenta no "Music Park".
Dia 08/03 - O "Music Park" também recebe Bob Sinclar, o dono do hit ‘Love Generation”. 

ONDE FICAR
Floripa é uma cidade que sabe receber bem, principalmente os turistas dispostos a deixar por la altas cifras. A cidade é repleta de hotéis e flats, para quem quer passar um final de semana ou alugar por temporada.
Il Campanario Vilage Resort (Jurere)
Inspirado no estilo provençal das vilas de Porto Fino, na Riviera italiana, e com uma vista privilegiada do mar, são 256 apartamentos, tipo flat, divididos em belíssimos suítes e suítes junior com estilo requintado e serviço padrão internacional. (texto: divulgação).
Oceania Park Hotel
Localizado em Florianópolis, na praia dos Ingleses no Norte da Ilha. ão 82 apartamentos novos e uma completa infra-estrutura de lazer com quadra de tenis, vôlei de areia, campo de futebol, piscina coberta aquecida e linda piscina externa. (texto: divulgação)


Texto: Gabriel Maciel
Fotos: Divulgação, De Olho na Ilha, Viagem Mais

___________________________________________________________________________________



A poucos quilômetros da costa da Venezuela, Curaçao tem uma combinação interessante de belas paisagens, cultura e vida noturna. A ilha de 60 km de comprimento guarda suas melhores praias no extremo oeste na região de Westpunt. O melhor jeito de descobrir o lado mais selvagem da ilha é alugando um carro. Nesse ponto da ilha além das praias vale uma visita ao parque nacional de Shete Boka onde se pode fazer algumas trilhas a beira mar curtindo o visual lunar da costa rochosa no contraste com o mar caribenho.
No caminho para Westpunt pare para conhecer alguns antigos casarões de fazenda no estilo Holandês. No fim de tarde vá à capital Willemstad que além de seus belos casarões do século XVIII tem ótimos restaurantes e é onde se concentra o agito noturno. Comece com um jantar no Bistrô Le Clochand que fica na muralha de um dos antigos fortes que protegem o canal de acesso a cidade. Além da comida excelente, o visual não poderia ser melhor na varanda. Experimente a lagosta Caribenha acompanhada de um bom vinho ou uma cerveja Polar gelada.


Se for fim de semana depois das dez siga para a boate Bermuda. Localizada em um casarão histórico a casa tem três pistas com ritmos diferentes e uma mistura interessante de locais e turistas. Você pode curtir um house no jardim ao ar livre cercado de gatas holandesas ou arriscar o Mambo na pista interna com as belas mulatas caribenhas. Ótimo lugar para treinar o Papiamento, idioma local que tem muitas palavras do português.

Curaçao esta fora da zona de furacões, mas vale programar sua viagem de Fevereiro a Outubro quando o sol reina e a chance de dias chuvosos é pequena. Evite ficar nos grandes resorts com sistema all inclusive como o Breezes. Apesar do preço convidativo com bebida e comida a vontade o lugar é o preferido da turma da terceira idade e o serviço é péssimo.

Existem outras boas opções na ilha como o novo Renaissance que apesar de não ficar na praia tem uma bela piscina com vista para o mar e você não corre risco de jantar ao som do Karaokê dos velinhos. Depois de curtir a noite de sexta na Bermuda, sábado na Mambo Beach e quarta no Cabana Beach cure sua ressaca no mercado antigo de Willemstad. O mercado é o lugar ideal para experimentar a culinária local que vai da sopa de Iguana ao ótimo cozido de cabrito. Ressaca curada aproveite para conhecer as ruas históricas da cidade que também tem boas lojas de roupas e eletrônicos a preços convidativos.

Para chegar a Curaçao viaje com a Avianca que tem vôos diários com conexão em Bogotá ou a GOL que voa para a Ilha de Brasília aos Sábados. Se o seu objetivo é mergulho e natureza vale guardar alguns dias para conhecer a vizinha Bonaire que é mais tranqüila e bem preservada.
















Texto: Fernando Russo
Fotos: Fernando Russo e divulgação

_______________________________________________________________________________________________________


Se há um lugar na Terra em que qualquer mortal não hesitaria em conhecer sem dúvida são as Maldivas, mais especificamente no Resort Huvafen Fushi, um dos mais luxuosos hotéis e resorts do mundo todo. Erguido dentro de uma lagoa privada de uma das ilhas, que leva o próprio nome, o Huvafen Fushi combina  o design contemporâneo com o charme inigualável das tradicionais Maldivas. O Huvafen possui 43 bangalôs estrategicamente posicionados em palafitas sobre o cristalino oceano de águas transparentes.

Com bangalôs espaçosos e elegantes que são uma obra-prima, o Huvafen é ideal para jovens recém-casados e casais que procuram um refúgio romântico. Huvafen Fushi está localizado a apenas um cruzeiro de 30 minutos do Aeroporto Hulhule. O translado é feito por uma lancha confortável levará para a sua ilha paradisíaca, Huvafen Fushi literalmente significa "ilha dos sonhos" em Dhivehi, que é a língua nacional falada nas Maldivas.

Como um bom resort que é, o Huvafen possui um o primeiro spa subaquático do mundo e possui alguns pormenores excelentes, como uma piscina individual em cada vila e um serviço classe A na categoria mais elevada de moradias. Mas mesmo se o ultra-elegante design do resort não lhe conquistar, a melhor parte da ilha está na beleza sensacional e natural que é encontrado tanto na parte de cima como abaixo da superfície irá deixar qualquer um impressionado.

Os alojamentos são divididos em quatro categorias, os bangalôs de terrenos e moradias e três tipos de bangalôs aquáticos estão disponíveis para os hóspedes. O Huvafen dispõe de uma piscina individual em cada do Villa Guest, nome dado a cada categoria de acomodações. As diferenças não são enormes entre as vilas, já que todos têm um espaço muito generoso e as mesmas facilidades, embora com diferenças discretas, como tamanho de TVs e tamanho das piscinas, além de um mordomo pessoal.

Um resort ideal que se preze também oferece uma cozinha com alta gastronomia e bons vinhos. Tudo isso dividido em três restaurantes muito diferentes, o Celsius, o Raw, e Sal, para garantir que há algo para todos e para manter a variedade. O Celsius funciona como restaurante principal, que permite ao hóspede escolher um jantar ao ar livre ou no quarto. Com luz de velas ou ao ar livre, em uma tarde brilhante nas Maldivas, ou curtindo um dia de sol sendo refrescado por sprays. Tudo isso com um buffet de excelente qualidade ou menu a la carte.


Já o Raw é adaptada para atender as necessidades de vegetarianos, com a exclusão de carne, peixe e ovos em pratos que são tão deliciosos que não-vegetarianos vão querer se converter. No Raw também servem pratos nutritivos e deliciosos feitos a partir de matérias orgânicas, que incluem carne e frutos do mar, para amantes de carne que não tem compromisso. E por fim, o Sal, situado em um cenário de água transparente durante o dia, e os reflexos da lua no oceano à noite. Este restaurante de água em cima serve de caviar de polvo e camarões jumbo ao bife de atum - Sal é especializado em todas as coisas que vêm do mar. Considerando que a pesca é um dos principais recursos nas Maldivas seguido apenas pelo turismo. Dentro os bares do resort, temos o Umbar. Localizado à beira da água e com vista para a piscina infinita projetada e excepcionalmente iluminada à noite com fibra óptica e se misturando no oceano.


Um dos grandes atrativos do Huvafen Fushi é seu incrível spa, o Per Aqumm Spa Collection, que atende aos hóspedes com uma consulta bem-estar pessoal. Pode-se reservar em um dia ou uma semana ou programas customizados para atender retiros de estilo de vida do indivíduo e exigências.
Um outro spa de luxo de pequeno porte, o primeiro do mundo em salas de tratamentos de massagens subaquáticas, Huvafen Fushi é um lugar onde a profundidade do elemento água pode ser vivenciado como nunca antes. A água está em toda parte: nas cores, texturas, aromas e arquitetura do spa. É onde se funde seascape fluida com a beleza absoluta do mundo do design spa interior.

São seis salas de tratamento, com piso de vidro e espelhos estrategicamente colocados no chão, debaixo de sua cama de massagem para deixar você olhar para a vida marinha em seu aquário pessoal. Uma variedade de terapias estão disponíveis nas salas de tratamento de água. Estes tratamentos podem ser experimentados por conta própria ou com um parceiro. Com área de relaxamento, distribuídos por dois pisos, com Aroma infundido na sala de vapor, sauna, sala de gelo, o chuveiroa de alta tecnologia, ao longo do Pavilhão da Água de ioga e ginástica. E a primeira piscina de sal com flutuação na água também conhecido como um Veyo Lonu - conhecido pelos seus efeitos terapêuticos e de cura.


Com um centro de mergulho, o resort oferece uma grande variedade de oportunidades de mergulho para o iniciante até mergulhadores qualificados. O centro está aberto todos os dias, das 8h até as 19hs para que o hóspede possa chegar, pegar algum equipamento de snorkel e conversar com o instrutor sobre mergulho e snorkel na área e mergulhar num dos melhores pontos de mergulho do mundo, as Maldivas são famosas pela sua paisagem subaquática. Corais vibrantes, centenas de peixes e tubarões são apenas algumas das suas fantásticas características de recifes do Fushi Huvafen. Agora que parar de sonhar e encarar uma viagem dessa? A média de um pacote de sete noites saindo do Brasil sai entre R$ 10 mil e R$ 20 mil por pessoa. Afinal, até o paraíso tem seu preço. E não é barato! Para quem tá podendo, boa viagem!


Fonte:

____________________________________________________________________________________________________

Devido à privilegiada localização numa região serrana à 212km de Madrid e banhada pelo Rio Tormes, Salamanca foi escolhida em 1218 pelo rei Alfonso IX para abrigar a segunda universidade existente na Europa. Também conhecida como Cidade Dourada em função do arenito utilizado em suas construções, que ao pôr do sol são uma dádiva para os olhos e fica fácil entender por que elas renderam à cidade o título de Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Em 1254 o papa Alexander IV intitulou a universidade como "one of the four leading lights of the world", ou seja, uma das quarto luzes que guiavam o mundo medieval, junto às universidade de Oxford, Paris e Bologna. Com tanto prestígio, cerca de 36 mil pessoas estudam em duas das melhores universidades da Europa: pública ou católica. Ou optam por aprender o puro castelhano num dos diversos cursos de línguas. Anualmente, seus 160 mil habitantes também recebem mais de 1 milhão de turistas, inclusive romeiros guiados pelas marcas douradas implantadas no chão que indicam a direção para o caminho de Santiago de Compostela.

Existe uma miríade de conventos e monumentos religiosos na cidade: destaque para a Plaza Juan XXIII, com o contraste da deslumbrante Catedral Velha, datada de 1140, a primeira na Espanha de estilo romanesco. E ao seu lado, a Catedral nova, que demorou mais de 200 anos até ser finalmente finalizada em 1733. Apresenta um estilo arquitetônico gótico com influências barrocas e rococós.

É praticamente impossível se perder em Salamanca, basta se guiar pela Plaza Mayor que fica exatamente no centro da cidade, e que devido a sua beleza e abrangente iluminação é considerada a mais bela praça da Espanha.


Uma tradição genuinamente espanhola, "salir às tapas" significa sair à noite para conversar, tomar uma cerveja ou sangría (mistura de vinho com frutas) e petiscar alguns dos excelentes "bocadillos", entre os favoritos o espetinho de camarão com pasta de ervas ou o lombinho defumado. Salamanca é provavelmente uma das cidades do mundo com atmosfera mais cosmopolita e mais bares per capita, fato que paradoxalmente mudou sua reputação ao longo dos anos de cidade do conhecimento para "ciudad del pecado". Nem mesmo as drásticas temperaturas: cerca de 30 a 37ºC no verão e 4 a -6ºC no inverno, interrompem a frenética vida noturna da cidade, apenas as semanas de exames a acalma ligeira e parcialmente.


Logo na primeira noite, fui muito bem recebido em uma das clássicas chupíterias. Chupito é uma espécie de shot que custa entre 1 e 3 euros, o mais famoso é o de absinto cannabis: "Diablo Verde". Durante o decorrer da semana, são comuns os "barralibres" ou open bar das 23h às 2:30am, sem esquecer que antes deles acontecem os "botellons" ou esquentas nas repúblicas, com música alta e dor de cabeça aos vizinhos espanhóis. As festas à fantasia ou temáticas, constantemente quebram a rotina noturna. Ainda não se impressione, pois se trata apenas do começo noite. Diariamente às 3:30am todos os caminhos levam para duas das discotecas mais badaladas da cidade: Kandhavia e Cubic

Nem mesmo as segundas-feiras significam descanso, pois os estudantes salmantinos comparecem religiosamente ao "Beerpong" do Irish Rover Pub, um torneio o qual as duplas arremessam bolas de ping-pong no copo de cerveja dos adversários, cada copo atingido deve ser esvaziado em um só gole pelos perdedores. Cada noite a dupla vencedora da aciradíssima disputa é premiada com 50 euros e algumas garrafas de bebidas.

Existe um bar para cada tribo, entre eles o CVM Lavde, clássico, com atmosfera intimista e público seleto. Clavel Ocho e Paniágua atraem um perfil mais alternativo, onde são comuns cigarros de palha e é difícil não tropeçar nas íngremes escadas do Paniágua. O El Savor é majoritariamente freqüentado por latinos que não abrem mão de ouvir uma salsa ou samba.

A maior festa do ano é a "Nochevieja Universitária", um réveillon antecipado uma vez que a maioria dos estudantes retorna para as festividades de natal em seus países de origem. Esse ano aconteceu na noite do dia 16/12 e reuniu mais de 30 mil pessoas na Plaza Mayor. Acaba cerca das 8h da manhã do dia seguinte, segundo a tradição, com os estudantes comendo churros e chocolates. Eventualmente nota-se que alguns jovens acabaram dormindo alí mesmo, na rua.
 
Mas não só de noitadas é feita Salamanca, além de a cidade ser praticamente um museu a céu aberto, os amantes da arte podem encontrar no Museu de Art-Nouveau/Art-Déco uma extensa coleção de mais de 1.500 peças da Fundação Manuel Ramos Andrade. Destaque para as obras de René Lalique e Emile Gallé. Outro ponto turístico interessante é a Casa Museo Miguel de Unamuno, local onde o poeta e filósofo viveu de 1900 a 1914 e encontrou inspiração para escrever uma de suas obras mais famosas: San Manuel Bueno, Mártir.

Seja pela importância histórica, extensa vida cultural ou pelas noites de perdição, Salamanca é uma cidade inesquecível. Vale a pena ser visitada principalmente durante os anos universitários - para viver na cidade aquelas histórias mais irresponsáveis que relembramos secretamente entre os amigos e que os netos vão se deslumbrar ao ouvir!


SERVIÇO:

Kahdhavia 923 26 65 91
C/ Bermejeros, 16, 37001, Salamanca - F: [0034]

www.kandhavia.com

Club Cubic
www.cubic-club.es/

Irish Rover Pub
Calle de Rua Antigua, 11, 37002 Salamanca, Espanha - F: [0034] 923 21 00 35

http://www.theirishroversalamanca.com/

Clavel Ocho
http://www.clavelocho.com/

El Savor
Calle San Justo, 28 (junto a Plaza Bretón)
http://www.nochesconsavor.blogspot.com/

Club Cubic
www.cubic-club.es/

Irish Rover Pub
Calle de Rua Antigua, 11, 37002 Salamanca, Espanha - F: [0034] 923 21 00 35

http://www.theirishroversalamanca.com/

_______________________________________________________________________________________________




Minha jornada pelo mundo começou em janeiro de 2006, quando meu marido foi transferido pela firma para morarmos em Kiev, na Ucrânia, uma “pequena” mudança de clima! De 30 graus positivos, para 30 graus negativos e uma aventura e tanto, que precisa ser contada em outra ocasião!

Depois de quatro anos vivendo no país do frio, mudamos mais uma vez para o calor dos trópicos, mais precisamente para o outro trópico, estamos agora no Vietnam, na antiga Saigon, atualmente batizada de Ho Chi Minh City, antiga capital do Império Francês.

Ho Chi Minh é a capital econômica do país, e é onde tudo acontece, o problema é que tudo acontece em cima de uma moto! A primeira impressão que se tem da cidade é de completo caos, o calor, o trânsito, o barulho, o número de pessoas nas ruas e acima de tudo as motos, ahh as motos, eu poderia passar a vida falando sobre elas, e ainda assim não conseguiria descrever com precisão o espetáculo que é ver as fotos de HCM.
Para se ter uma idéia, o número de motos é maior que o numero de habitantes, somente na cidade de HCM são cerca de seis milhões de pessoas e oito milhões de motos, e sobre as motos a vida acontece, nelas as pessoas carregam de tudo que você pode imaginar, aliás, o que você não pode imaginar não se espante de ver uma porta “andado”, ou uma árvore, ou uma geladeira, TVS (das grandes), porcos, e uma infinidade de outras coisas, além das pessoas, às vezes até cinco em uma mesma motinha, ok, os vietnamitas são pequenos, mas as motinhas também e cinco em uma moto, é mesmo uma façanha. É incrível, lindo, cheio de vida, ensurdecedor, eles buzinam todo o tempo, enlouquecedor, interessante, enfim, só dá para entender vendo ao vivo!!!

Vocês podem achar que sou louca, mas é tudo encantador mesmo, e as pessoas são abertas, calorosas, amigas, gostam de conversar e saber de onde você vem, o que faz, acham o tipo de beleza acidental lindo, principalmente as crianças.


Aqui também cada cidade tem o seu mercado municipal, e o de HCM é uma das maiores atrações turísticas da cidade. É um lugar cheio de vida, cheio de gente e cheio de tudo. Nele você compra as mais deliciosas frutas tropicais, as que a gente conhece no Brasil e outras muitas, que nunca vimos, ou que encontramos somente em lojas de importados. Caríssimas no Brasil, aqui a preço de banana. Tem carnes e frutos do mar, e até sapo, tem roupa, tem brinquedos, têm tecidos, aviamentos, artigos para casa, festas, jóias, e acima de tudo os produtos “FAKE” - a pirataria. Todo tipo de copia, de tudo, bolsas, sapatos, roupas, relógios..., e o tempo todo os vendedores a fazer a propaganda do produto: “Good quality madam, good price madam, I make discount for you madam”. Difícil resistir a uma calça Levis a USD 15!   Bem, também aqui, como em qualquer lugar do mundo, turista é para ser enganado, então a primeira coisa que se precisa aprender quando se vem ao Vietnam e especialmente ao mercado, ou outros lugares turísticos é a barganhar. Nunca aceite o primeiro preço, que é pelo menos três vezes mais do que o produto realmente vale. Nunca demonstre muito interesse, eles ficam desesperados quando você pergunta o preço e vai saindo, e vão baixando o preço logo pela metade. Então, se você se mantém firme eles colocam a calculadora na sua mão e pedem para você indicar quanto quer pagar, é meio desesperador, no inicio eu ficava morrendo de pena e comprava tudo!!!

As coisas aqui são muito baratas, principalmente comparando com o atual momento do Brasil, além de que existe um artesanato bonito, e uma infinidade de produtos com todos os motivos orientais, que é realmente muito difícil não sair com as mãos cheias de sacolas.

As ruas do centro de HCM são outra grande atração turística, cheias de lojinhas onde pode se encontrar de tudo, muitas galerias de arte com obras de qualidade por um preço bastante acessível. Guarde lugar na bagagem para levar uma pintura dos pitorescos arrozais do Vietnam, com os trabalhadores ao fundo, com o típico chapéu de ponta que os protege do sol! Outra coisa que as pessoas não podem deixar de experimentar aqui é um day-spa, uhhhhh massagem de corpo, pés, tudo bem mais barato que no Brasil e tem até uma “fish pedicure-massagem”, você coloca os pés num tanque cheio de peixinhos que comem toda a sujeira e pele morta dos seus pés, eu não tive coragem, mas tem gente que adora.

Até agora ainda não falei sobre a guerra do Vietnã, bem a guerra já acabou desde 1975, mas o país se orgulha de ter mandado os americanos de volta para casa e exploram o turismo de pós-guerra. Toda a história pode ser vista nos museus da cidade, o mais importante é o Museu da Guerra, mas também pode ser vista nas ruas, nas muitas pessoas mutiladas pelas minas, ou deformadas pela herança do agente laranja, veneno utilizado pelos americanos para desfolhar as florestas e achar os Vietcongs, mas que deixada um rastro de destruição humana a cada lançamento.

Outra grande atração do tempo da guerra são os Cu Chi Tunnels, os túneis subterrâneos no meio da floresta que eles construíram na época da guerra para se esconder e usar como armadilhas para os americanos. Hoje esses túneis foram alargados para poder serem usados pelos turistas, mas mesmo assim ainda são pequenos e claustrofóbicos. Difícil imaginá-los ainda menor, e pensar que eles ficavam meses escondidos nesses lugares.

A comida vietnamita sofre a influência da colonização francesa. É mais requintada que do que a do resto da Ásia e tem um sabor especial. É uma mistura de ervas frescas e produtos locais, muito fruto do mar, muito vegetal, e tudo com um toque de chef francês, só que apimentado, realmente imperdível. Claro que existem algumas especiarias, das mais tradicionais, que eu ainda não me atrevia a provar, mas esse é somente o meu primeiro ano aqui! No mais HCM é uma cidade super cosmopolita e aqui você encontra uma infinidade de diferentes restaurantes, onde pode-se provar comida de diversas partes do mundo, e tudo a preços incrivelmente baixos. Para se ter uma idéia, dá para fazer uma ótima refeição por USD 10 por pessoa, não em um restaurante de um bom hotel, mas nos vários espalhados pelas ruas, é claro!

Se quiser se aprofundar na culinária vietnamita, é só participar de uma das muitas aulas de culinária oferecida pelos restaurantes locais, com direito a uma visita ao mercado logo cedo para a compra dos produtos, seguido da aula com chef e no final, a degustação dos pratos. Se o viajante for explorar outras regiões do Vietnã, pode até fazer essa aula depois de ir ao mercado flutuante, que existe em alguns trechos do rio Saigon ou no delta do Mekong, realmente uma aventura e tanto!



O Vietnã possui duas estações climáticas principais, inverno e verão, porém como no nordeste do Brasil, o inverno (novembro a março) não é verdadeiramente frio. As temperaturas variam ente 25 a 30 graus Celsius, e no verão (de maio a outubro) as temperaturas sobem um pouco mais, chegando a até 38 graus, mas a maior característica dessa estação são as chuvas no fim do dia. Normalmente chove muito forte todas as tarde entre 4h e 5h por aproximadamente 1 hora. Então se você estiver visitando o país nesse período, tome o cuidado de fazer a programação antes da chuva, ou depois da chuva!

A maior celebração do país acontece durante o ano novo, não em 01 de Janeiro, já que eles seguem o calendário Chinês, mas em Fevereiro, quando se comemora o ano novo Lunar, e a cidade toda se enfeita de flores, cores e luzes, um lindo espetáculo de tradição e simbologia, 2010 é o ano do Tigre, um ano forte e propício a bons negócios! O visitante que quer aproveitar essa época para conhecer o país, deve fazer reservas com no mínimo três meses de antecedência!  
Além de Ho Chi Minh City, o Vietnã também tem lindas praias, como Mui Ne, Phan Thiet, Dannag, Vung Thau, Hga Trang,  a capital Hanoi, com muita beleza e história, Halong Bay, uma baía de uma beleza inimaginável, Sapa, outro país, dentro do País, Phu Quoc, um ilha paradisíaca, Hue e Hoi Anh, cidades históricas, a última considerada patrimônio da humanidade, além de fazer fronteira com o Camboja, Laos e China, está a poucas horas da Tailândia, Malásia, Cingapura, Indonésia... Enfim, a Ásia é muito mais que somente China e Japão, e vale muito a pena ser descoberta!


____________________________________________________________________________________________________________

É verão em Pernambuco, e sem dúvida a praia de Porto de Galinhas é a mais requisitada do litoral nordestino, não é a toa que foi eleita nos últimos nove anos consecutivos, como a melhor praia do Brasil pela revista Viagem & Turismo. Com uma longa faixa de areia banhada por águas transparentes, o balneário de Porto de Galinhas agrega várias praias, cada uma com um tipo de passeio como o mergulho em suas piscinas naturais para alimentar os peixes. A praia recebe em média meio milhão de visitantes por ano, e por conta disto, foi criada uma extensa rede de serviços, como; resorts, restaurantes, bares e boates. A estrutura hoteleira conta com mais de 60 estabelecimentos para todos os níveis turísticos. Tudo isso sem esquecer a preservação ambiental.

Um dos hotéis mais visitados é o Summerville, o primeiro hotel padrão cinco estrelas do balneário de Porto de Galinhas. O Summerville Beach Resort tem uma localização perfeita, de forma totalmente integrado à naturaza, de um lado, parte da mata atlântica nativa com toda a sua exuberância composta pelo belo coqueiral e mangues, do outro, a beira-mar com uma imensa piscina natural formada por arrecifes à sua frente. O Summerville dispõe de grande estrutura e uma extensa área de laser para as crianças, além de serviços como heliponto, barcos, quadras de tênis e golf, massagens, bussiness center, spa... entre outros.


Para ir a dois, sem dúvida a melhor opção é o Nannai Beach Resort, que além de oferecer toda estrutura de um hotel cinco estrelas, há a opção de optar pela privacidade dos bangalôs. Ao chegar a porto, aproveite a estadia, mergulhe com os cardumes e cavalos marinhos ou alugue um buggy e vá até o pontal. Há alguns hotéis que oferecem um passeio de catamarã à Ilha de Santo Aleixo, o translado incluí uma visita à Praia dos Carneiros, município vizinho a Tamandaré. Há também a possibilidade de fazer uma trilha a cavalo até o Engenho Canoas, aonde você poderá experimentar queijo de coalho com mel de engenho.


E mesmo quem prefere a tranqüilidade ou a exclusividade das praias vizinhas, como Muro Alto e Toquinho, o destino noturno é sempre Porto. A começar pelo rústico Restaurante Beijupirá, conhecido pela cozinha que mistura sua referência nordestina com influências estrangeiras. O restaurante ficou famoso por suas receitas que adicionam à cozinha contemporânea frutas e ingredientes regionais, o Beijupirá é um dos restaurantes mais charmosos de Porto de Galinhas. Os dois salões são abertos, decorados com móveis coloridos, peças de artesanato e luz de velas. A casa faz parte da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança.

E depois de comer bem, a noite de Porto tem um destino certo; o Biroska da Cachaça. O lugar foi considerado por vezes consecutiva como o melhor local para a pegação. Os proprietários Luz Simão e Rodrigo Picorelli contaram para a MENSCH o que acontece por lá.

A casa tem como foco receber um público seleto, que irá ouvir um repertório bem eclético, como e-music, pop rock e remix de sertanejo. Não existe área vip na casa, e pode-se dizer que quem vai uma vez ao Biroska, não deixará de freqüentar. E já faz algum tempo que o Biroska vem se destacando pelo seu estilo característico. A idéia surgiu porque Rodrigo Picorelli percebeu a necessidade de uma balada no estilo mineiro e dancing bar no balneário.


E para os quem chegam, a noite não começa enquanto não tomar o famoso Kamikaze (drink que combina vodka, cointreau e suco de limão). Em seguida, é só aguardar as jovens ficarem alegres. É claro que o local fica disputado nos finais de semana do verão; e para os interessados, poderão reservar as mesas pelo site ou telefone. Afinal os agitos na noite de Porto de Galinhas estão só começando.

SERVIÇO:


_______________________________________________________________________________________________________

 
Viajar para Fernando de Noronha deveria ser tão obrigatório quanto respirar, até porque o ar de lá é sem dúvida mais puro.
Se quem acha que chamar o arquipélago de paraíso é exagero, pague pra ver que não é. A gente aprende na escola que ilha é uma porção de terra cercada por água de todos os lados, Noronha é um pedaço do mundo cercado de beleza por todos os lados, incluindo o de cima e o de baixo. O céu azul e cheios de aves em vôos rasantes é um espetáculo à parte, a vida marinha, que pode ser observada em mergulhos com snorkel ou cilindro, é uma experiência inesquecível. As chamadas Ilhas Secundárias completam o cenário que enchem à vista e a alma de turistas e nativos.

Aliado a isso a simpatia dos habitantes da ilha deixa qualquer habitante do continente encantado. Todas as pessoas se cumprimentam na rua, oferecem carona, são super solícitas e sempre têm um elogio a fazer ao lugar.
Violência não existe na Ilha, se pode caminhar tranqüilamente a qualquer hora do dia ou da noite pela Vila dos Remédios e adjacências mas é preciso ter pernas fortes porque as ladeiras são partes constituintes do local.
Fôlego também é algo imprescindível para quem vai visitar Fernando de Noronha, afinal são várias trilhas, locais para mergulho e paisagens de tirar o ar!
Pode-se contratar os passeios via agências ou direto na ilha, o que acaba sendo mais interessante financeiramente. O site oficial da administração oferece várias opções de agentes credenciados: http://www.noronha.pe.gov.br/ e isso deve ser levado em consideração para segurança de quem visita a ilha, há trilhas e passeios com certo grau de dificuldade e risco que não devem ser feitos por pessoas não capacitadas.


LUGARES VISITADOS PELA MENSCH

- Para os passeios e receptivo contacte a Martur (Joselito e Romário) e/ou Central Noronha (Jean e Natal);
- O batismo (mergulho com cilindro) não pode ser feito no dias de chegada ou partida da ilha por conta da pressão sofrida durante o vôo;
- A pousada Lenda das Águas é super agradável, a proprietária Maria José e toda a sua equipe são extremamente atenciosos e o chá da tarde é uma delícia!;
- Tente fazer o Passeio de Barco com o capitão Pirata, uma figuraça local;
- Os agitos noturnos só começam depois das 23h, por isso descanse antes de ir ao forró do Bar do Cachorro ou ao reggae da Pizzaria Massa;
- Em Noronha todo mundo tem mais de um emprego ou função, por isso não estranhe se o cantor da noite for o seu instrutor de mergulho no dia seguinte;
- No passeio a praia do Atalaia é terminantemente proibido o uso de protetor solar ou bronzeador por conta dos danos causados a biodiversidade marinha local;
- Leve bastante água na bagagem de mão porque na ilha é extremamente cara e necessária;
 - O pagamento da taxa de conservação é contabilizado pela quantidade de noites na ilha e pode ser pago pelo site, mas como você terá de enfrentar fila da mesma forma que quem deixou pra pagar no desembarque opte pela segunda opção e pague com cartão de crédito (Visa ou Mastercard);
- Contemple a natureza do local sem moderação!

Dados da viagem Mensch a Fernando de Noronha:
·     Período: 28 a 31 de outubro
·     Cia Aérea: Gol
·     Hospedagem: Pousada Lenda das Águas – (81) 3619. 0199 www.pousadalendadasaguas.com.br
·     Receptivo e caminhada histórica: Costa Azul / Martur- (81) 3619.1134 / (81) 9373.7609 - www.martur.com.br
·    Passeios: Ilhatour, Passeio de Barco e Atalaia pela Central de Passeios Noronha - 81 3619-1318 /  3619-0160 / 3619-0498 / 9724.9001 - jean_noronha@hotmail.com
·    Agência: Sundous Travel Tour _ (81) 3468.7752 – sundausturismo@ig.com.br

Um comentário:

  1. MUITO INTERESSANTE.MEU SOBRENOME É MENSCH.JÁ SABIA QUE ESTE SOBRENOME TINHA UMA DEFINIÇÃO , UMA TRADUÇÃO EM ALEMÃO (HOMEM , SER HUMANO).A FAMILIA MENSCH EXISTE NO RIO GRANDE DO SUL EM VÁRIAS CIDADES COMO PORTO ALEGRE , CAXIAS DO SUL, SANTA ROSA E TRES DE MAIO (RS)
    PARABENS E GOSTARIA DE TER A ASSINATURA DA REVISTA.

    MARCELO RODRIGUES MENSCH

    ResponderExcluir